Páginas

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Booming Brazilian box office

Sector adds more screens and films

Crisis, what crisis? Following a 33% growth in the total B.O. across 2009, Brazil's upward trend continued into the new year, with ticket sales up 21% during the first quarter. Global recession notwithstanding, the Brazilian film sector is actually expected to break the 1 billion barrier this year -- a first since the introduction of the Real currency in 1994, with B.O. potentially reaching as high as 1.2 billion real ($686 million).

Such strong performance is due to a combination of factors, including the explosion of 3D pics, the incorporation of millions of Brazilians to the middle class, and an overall strong economy (the country's GDP is expected to grow 6% this year).

Hollywood 3D pics are the driving force behind the expansion, with the latest installments in popular franchises such as "Shrek," "Toy Story" and "Harry Potter" expected to follow the successful runs of "Avatar" and "Alvin and the Chipmunks: The Squeakquel."

As in other parts of the world, local moviegoers not only are hungry for 3D fare but also seem willing to pay more for it. According to Filme B e-newsletter publisher Paulo Sergio Almeida, 3D boosted the country's average ticket price 9.5% in Q1 over the same period in 2009, staying well ahead of inflation.

The challenge now is to expand the number of 3D-capable screens. There were 126 such screens in April, up from 97 at the end of 2009, and Almeida believes the figure could rise to 200 by the end of the year.

Since the consolidation of commercial free-to-air TV in the '70s and '80s and the subsequent closure of thousands to screens countrywide, the habit of attending theatrical screenings has been limited mostly to the upper classes in Brazil. However, in the past few years, Brazilians from the middle class are increasingly falling for the charms of the bigscreen. Thanks to social programs and the economic growth, the middle class has been inflated by the addition of millions of emerging poor families with coin to spare for tickets, a number of studies show.

In order to fully benefit from the immense potential of this new middle class, however, the industry must first address the lack to screens in blue-collar neighborhoods. The majority of theaters exist in shopping centers situated in better big-city neighborhoods.

"The middle class is the major beneficiary of the economic model adopted by this government. They particularly like Brazilian films, but it's necessary to build theaters near their homes," says helmer Carlos Diegues, attending Cannes for the world premiere of "5XFavela."

In response to the country's exhibition circuit problems, the government has announced two programs. According to Manoel Rangel, president of the National Cinema Agency (Ancine), the Cinema Near You program will launch this year, providing a low-interest credit line for exhibs willing to build screens in average-sized towns (of 100,000 to 500,000 inhabitants) and big-city neighborhoods with large concentrations of middle-class residents. The goal is to build 600 screens in four years.

For towns with 20,000 to 100,000 residents that do not have screens, Rangel says the federal government will fully fund the construction of screens through its Town Cinema program, launched last November. Public tenders will select the screens' operators.

Meanwhile, the exhibition sector will also continue to expand in upper-income areas. According to Almeida, 72 Brazilian shopping centers are expected to open within the next three years, the bulk of them with multiplexes, with an important player joining this expansion effort: Mexican giant Cinepolis entered the Brazilian market this year and plans to open 40 screens by December.

Following its stunning performance in 2009, when the combined B.O. of Brazilian pics rose 88% over the previous year, the local sector got off to a rough start in 2010, when blockbuster hopeful "Lula" flopped in January. All that changed with the record-setting April release of vet helmer Daniel Filho's "Chico Xavier," the biopic of the local spiritual leader who died in 2002, that enjoyed the biggest opening of a Brazilian pic in 20 years.

Analysts predict local pics can sell as many as 16 million tickets this year (which would match 2009's boffo figures), especially with such releases as "Elite Squad 2" and Wagner de Assis' "Our Home," a super-production with top-notch special effects and major international talents working below the line, coming in the second half.

In terms of film financing, the prospects also look favorable. The local production sector received $71 million in incentives last year, down 18% from 2008. Analysts attribute the dip to the economic slowdown, pointing to a combination of factors indicating more available coin in 2010.

"The Brazilian economy is now heated up, which means profit-based incentives will deliver better results," Rangel says. "Additionally, Brazil's largest company, Petrobras, resumed their investment in feature production. This year, we will also have 81.5 million reais ($46.6 million) through the Sector Fund."

According to Rangel, Sector Fund kicked off last year by giving out $16.8 million. And though several local producers have complained about the new incentive system's red tape and inflexible requirements, Rangel refuted the criticisms. He expects Sector Fund to eventually fulfill its goal of stimulating local producers to make more pics with commercial potential, citing "Chico Xavier," which was partially funded through the incentive, as a step in that direction.

By MARCELO CAJUEIRO
http://www.variety.com/article/VR1118019215.html?categoryid=4024&cs=1

Centro de Formação para Gestão do Patrimônio

Ministro da Cultura, Juca Ferreira, e diretora-geral da Unesco visitam as futuras instalações no Palácio Gustavo Capanema

Nesta quinta-feira, 27 de maio, às 18h, no Rio de Janeiro, o ministro da Cultura, Juca Ferreira, participa da cerimônia de apresentação das futuras instalações do Centro Regional de Formação para Gestão do Patrimônio no edifício Palácio Gustavo Capanema – ícone da Arquitetura Moderna e palco de grandes eventos da vida cultural e política do país. Também estarão presentes a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Irina Bokova, e o presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC), Luiz Fernando de Almeida.

O local foi cedido e autorizado na 35ª Conferência Geral da Unesco, realizada em Paris, no ano passado. A instituição integrará a rede internacional de centros dedicados à formação em Patrimônio Mundial. Será voltado para a formação de gestores, com a missão estratégica de capacitação profissional e de aperfeiçoamento dos instrumentos de gestão do patrimônio mundial em 17 países da América do Sul, da África e da Ásia, de línguas portuguesa e espanhola. Manterá, ainda, estreita colaboração estratégica com Portugal e Espanha.

A administração do novo Centro será do Ministério da Cultura do Brasil, em cooperação com os Ministérios das Relações Exteriores (MRE), da Educação (MEC), da Ciência e Tecnologia (MCT), de universidades e centros de pesquisa e ensino. Sob a responsabilidade do Departamento de Articulação e Fomento do Iphan/MinC, a implantação no Palácio Gustavo Capanema será viabilizada por um Projeto de Cooperação Técnica e Financeira com a Representação da Unesco no Brasil.

Integrarão o Centro Regional de Formação para Gestão do Patrimônio os seguintes países:

* América do Sul - Brasil, Uruguai, Paraguai, Argentina, Bolívia, Chile, Peru, Equador, Colômbia e Venezuela

* África, países lusófonos e hispânicos - Cabo Verde, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Guiné-Equatorial, país hispânico e membro associado da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

* Ásia, país lusófono - Timor-Leste

Fonte: http://www.cultura.gov.br/site/2010/05/26/centro-de-formacao-para-gestao-do-patrimonio/

Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Reabertura nesta quinta-feira, dia 27, com a presença do presidente Lula da Silva e do ministro Juca Ferreira

Nesta quinta-feira, 27 de maio, será reinaugurado o Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e o ministro da Cultura, Juca Ferreira, participam da cerimônia que será realizada a partir das 20h, com a presença de outras autoridades e personalidades convidadas.

A reabertura da sala de espetáculo contará com apresentações da Orquestra Sinfônica e do Coro do Theatro, sob a regência dos maestros Roberto Minczuk e Silvio Viegas; dos pianistas Nelson Freire e Arthur Moreira Lima; dos bailarinos Ana Botafogo e Andrea Volpintesta; e dos solistas Alfred Kim, Chiara Taigi, Anna Smirnova, Rodrigo Esteves, Luiz-Ottavio Faria, Gyorgi Arivle e Luciana Costa e Silva.

Foram investidos na reforma mais de R$ 50 milhões, com apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, montante que equivale a 80% dos recursos aplicados até agora no Theatro por meio da renúncia fiscal.

Durante as obras na edificação foram feitos os trabalhos de descupinização e de recuperação do telhado, das instalações elétrica e hidráulica, dos foyers, dos camarins e da sala de espetáculos.

Ainda foram realizadas restaurações dos elementos artísticos e a troca de poltronas, ar-condicionados e elevadores, além do projeto de acústica, de iluminação e de adaptação para acesso de portadores de necessidades especiais. Também foi renovado o restaurante-bistrô Assyrius e modernizada a parte administrativa do prédio.


A construção do Theatro Municipal do Rio de Janeiro foi um dos símbolos do projeto republicano para a então capital do Brasil. As obras tiveram início em 1905 sobre um alicerce de 1.600 estacas de madeiras fincadas no lençol freático. A inauguração aconteceu em 14 de julho de 1909.

Em 1934, com a constatação de que o espaço estava pequeno para o tamanho da população da cidade, a capacidade da sala foi aumentada para 2.205 lugares. A obra, apesar de sua complexidade, foi realizada em três meses, tempo recorde para a época. Posteriormente, com algumas modificações, chegou-se ao número atual de 2.361 lugares.

No dia 19 de outubro de 1975, o teatro foi fechado para obras de restauração e modernização de suas instalações e reaberto em 15 de março de 1978. No mesmo ano foi criada a Central Técnica de Produção, responsável por toda a execução dos espetáculos da casa.

A construção do edifício anexo teve início em 1996. O objetivo foi desafogar o teatro dos ensaios para os espetáculos que, com a atividade intensa da programação durante todo o ano, ficou pequeno para eles e, também, para abrigar condignamente os corpos artísticos.

Saiba mais: www.theatromunicipal.rj.gov.br.

Fonte: http://www.cultura.gov.br/site/2010/05/27/theatro-municipal-do-rio-de-janeiro/
(Marcelo Lucena, Comunicação Social/MinC)

terça-feira, 25 de maio de 2010

Le Brésil de Lula sur tous les fronts

Lula par-ci, Brésil par-là ! Le monde bruisse des déclarations du président brésilien et des hauts faits pas seulement footballistisques de ses concitoyens.

On a entendu Luiz Inacio Lula da Silva tancer l'Allemagne pour ses réticences à sauver la Grèce, et proposer sa médiation dans le conflit israélo-palestinien.

On l'a vu essayer de désamorcer avec les Turcs le dossier nucléaire iranien, et soutenir les Argentins dans leur conflit contre les Britanniques à propos des Malouines et de leur pétrole.

Mais "l'homme le plus populaire du monde", selon Barack Obama, ne s'appuie pas seulement sur son charisme pour parler haut et fort. Il incarne un Brésil en pleine forme qui, après un passage à vide dû à la crise, talonne la Chine et l'Inde en termes de croissance.

Petrobras, le groupe pétrolier qui est l'entreprise la plus lucrative d'Amérique latine, Vale, leader mondial du fer, l'avionneur Embraer qui pourrait bien damer le pion à Boeing et Airbus avant longtemps, ne sont que les fleurons d'une économie industrielle de premier ordre.

Côté agricole, la montée en puissance est comparable, et a valu au Brésil le titre de "grenier du monde". Soja, sucre, éthanol, café, fruits, coton, poulets, etc. en font un concurrent redoutable pour les éleveurs européens.

C'est en 2008 que le Brésil a pris conscience de ses capacités économiques. Jusque-là, il négociait à l'Organisation mondiale du commerce, mais de façon un peu frileuse. La crise partie des Etats-Unis et l'effondrement de la production industrielle des pays dits avancés l'ont persuadé que l'heure était à l'offensive.

Désormais, c'est le Brésil, brillamment représenté par son ministre des affaires étrangères, Celso Amorim, qui pousse le plus fort pour une conclusion des négociations du cycle de Doha. En comparaison, les Etats-Unis semblent englués dans un protectionnisme d'un autre temps.

Moins redouté que la Chine ou l'Inde, milliardaires en population, mieux considéré qu'une Russie rentière de ses matières premières, le Brésil est le véritable porte-parole de ces économies émergentes qui tirent la croissance mondiale. L'axe économique du monde se déplaçant vers le Sud, il peut réclamer à bon droit que ceux qui se substituent ainsi aux pays du Nord en panne de vitalité soient mieux représentés dans les instances internationales, à commencer par la Banque mondiale et le Fonds monétaire international (FMI). Sans oublier le Conseil de sécurité de l'ONU, au sein duquel le Brésil souhaite détenir un siège de membre permanent.

Parce que "le XXIe siècle sera le siècle des pays qui n'ont pas eu leur chance", et parce qu'il s'estime personnellement "à la moitié de [son] parcours politique", Lula (65 ans) pourrait présenter sa candidature au secrétariat général de l'ONU en 2012. Il devrait aussi militer pour améliorer le G20, dont il juge l'influence "très faible".

On n'a pas fini d'entendre l'ancien métallo, ami des favelas et des investisseurs. On n'a pas fini d'entendre parler d'un Brésil à l'aube de ses "trente glorieuses".


Fonte: Le Monde
http://www.lemonde.fr/opinions/article/2010/05/24/le-bresil-de-lula-sur-tous-les-fronts_1362155_3232.html

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Panorama Brasil em Movimento II

Realizou-se, no dia 05.05, na sala multimodal do Consulado-Geral do Brasil em Frankfurt, vernissage de encerramento do projeto Panorama Brasil em Movimento II, organizado pela Universidade de Campinas, pelo segundo ano consecutivo.

O Panorama Brasil promoveu a exibição de filmes, palestras e mostra coletiva de artes plásticas sobre o Brasil contemporâneo, seus desafios e sucessos obtidos na área da Cultura, em tempos recentes.

Em seu último dia, a programação contou com a exibição do filme "Cafundó", de Clóvis Bueno e Paulo Betti, seguida de palestra da Professora Doutora da Unicamp, Rosana Martins, uma das curadoras da mostra, que discorreu sobre diversidade cultural, integração, identidade, multiculturalismo, brasilidade e políticas afirmativas.

O evento foi prestigiado por numerosa platéia, composta por membros da comunidade brasileira em Frankfurt, alemães interessados na cultura brasileira, representantes do poder público local e pessoas ligadas ao mundo das artes.

Ao longo da semana, o projeto, composto por palestras, pesquisas e mostras de arte e de cinema, procurou promover jovens talentos brasileiros no exterior, com o objetivo de divulgar a imagem do Brasil contemporâneo.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Ópera ‘Amazonas’

Estreia do espetáculo multimídia será na abertura da Bienal de Munique, neste sábado, dia 8

O ministro Juca Ferreira será representado pelo secretário executivo do Ministério da Cultura, Alfredo Manevy, na estreia mundial do espetáculo multimídia Amazonas - Teatro música em três partes, que abre a Bienal de Munique (Alemanha), neste sábado, dia 8 de maio.

Agregando teatro, música, elementos audiovisuais, tecnologia e ciência, a ópera, dividida em três atos, reúne desde 2006 esforços de inúmeros artistas e realizadores culturais dos dois países para falar das extraordinárias riquezas naturais da região e situação ameaçadora da maior floresta tropical do mundo. Unindo talento e grande poder de conscientização, a montagem pretende, dentro de visão artística contemporânea, fortalecer a discussão sobre o futuro da Amazônia dentro de âmbito internacional.

A apresentação, que abre a Bienal de Munique, será destaque da programação cultural do SESC Pompéia, em São Paulo, entre os dias 21 e 25 de julho. “Esse projeto é a realização de um sonho de muitas pessoas. Depois da Alemanha, queremos que essa história volte para o lugar de onde veio, ou seja, apresentado em Manaus”, destacou Maria do Carmo Gongora, a Carminha, assistente cultural do Instituto Goethe de São Paulo, um dos parceiros da empreitada junto com a Bienal de Munique, o Centro de Arte e Mídia (ZKM Karlsruhe), Hutukara Associação Yanomami, Ópera Nacional de São Carlos (Portugal), SESC São Paulo e o Ministério da Cultura.

Entre os nomes envolvidos no projeto estão os artistas multimídia Gisela Motta, Leandro Lima, o diretor do Centro de Arte e Mídia alemão Peter Weibel, o compositor paranaense Tato Taborda, o antropólogo francês Bruce Albert e o produtor austríaco Michael Scheidl, além do sociólogo Laymert Garcia dos Santos.

Espetáculo de grande sinergia de ideias e conceitos artísticos, a ópera traz como protagonista o grande gigante verde que ganha voz não só apenas dentro de conceito artístico ousado, mas também a partir das observações atentas de cientistas alemães e brasileiros, e da preciosa cultura do povo Yanomami, um dos últimos habitantes primitivos da região. Representantes da tribo também marcarão presença na abertura da Bienal que segue até o dia 12.

Fonte: http://www.cultura.gov.br/site/2010/05/07/bienal-de-munique/
(Lucio Flávio, Assessoria de Imprensa SE/MinC)