Páginas

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

New (and old) trade restrictions

In the modern age of Globalization, trade restrictions can have a tremendous impact on the welfare of a nation. After the great discovery voyages of the 15th and 16th century and with the emergence of the modern industrial world, trade has become an increasingly important mechanism of wealth generation.

Adam Smith propounded the view that advantages in productivity should make commerce beneficial to all nations. His famous comparison between Portugal and England became a well quoted example of how trade can benefit all countries. Since England had an advantage in the production of textiles, and Portugal had an advantage in the production of wine, Smith claimed that both nations would profit if they formulated trade patterns where England imported all its wine from Portugal, who in turn would sell its textiles to England. Smith made the point that both Portugal and England would be far richer if they started trading. This argument has become the foundation of liberalism.

David Ricardo advanced Smith’s argument by propounding the view that comparative advantages were at the root of the trade advantages. Ricardo believed that nations should trade so they would always have comparative advantages over other nations, defined as advantage in terms of opportunity costs.

Nowadays, economic theories have been greatly refined, but no one disputes the notion that trade is beneficial to all nations, and the notions of Smith and Ricardo are widely regarded as axioms of economics.

As trade has become more important to the wellbeing of nations, trade restrictions become more pernicious in international commerce. Trade restrictions can have a very negative impact on the wealth of nations for they obstruct trade-related gains that would otherwise occur if trade were freer.

Concerns related to the negative impacts of trade have led to the creation of the World Trade Organization (WTO), following the Uruguay Round of the GATT and the Marrakech agreement. Unlike the GATT, the WTO has a much more ambitious Dispute Settling Mechanism (DSU), which aims to prevent trade barriers from distorting patterns of trade. In order to foster trade and reduce the impact of trade restrictions, several important trade agreements were established in the 1990s, such as the North American Free Trade Area – NAFTA, the MERCOSUL bloc, the Association of South East Asian Nation – ASEAN, the Asia-Pacific Economic Cooperation – APEC.

At present, the Doha round of trade negotiations is under way with a very ambitious mandate (the Doha mandate) to liberalize trade in agriculture and attain further gains in services and intellectual property.

Recent food-related inflationary pressures illustrate how trade restrictions and distortions can have a negative impact on the wellbeing of nations and affect their economic welfare. In fact, most trade restrictions today are placed on agricultural goods. The Uruguay round was quite successful in reducing trade restrictions placed on manufactures. In terms of trade in agriculture, however, progress was rather disappointing.

Trade restrictions in agriculture represent a large share of the problem of the current inflationary wave that is costing the economic welfare for developed and developing nations alike. Trade restrictions persist in services and telecommunications and in the form of trade distorting subsidies, nontariff barriers and dumping. Specialists agree that trade distorting mechanisms are detrimental to all.

The ongoing financial turmoil indicates the strong need for the Doha round to be successfully completed. In times of such acute financial crisis as the one the world is going through today, throwing away commerce related gains would be sheer madness. The recent gathering of the G-20 nations in the USA reveals that world leaders are well aware of this simple truth.

New trade patterns in a globalized world

Trade patterns can be affected by several factors, including governmental action. In fact, two types of laws control the marketplace: the laws of supply and demand and the laws of governments. The laws of supply and demand should propitiate a maximum advantage in terms of welfare; for free markets should allocate scarce resources so as to maximize gains. The marketplace uses price as the mechanism for achieving its maximization goals. Drawing on Adam Smith’s metaphor, it is possible to argue that if there is an invisible hand conducting the marketplace to maximum welfare, prices are the instrument this invisible hand uses. According to traditional and modern economic theory, therefore, laws of the marketplace maximize welfare under in a free market condition.

Governmental laws, on the other hand, often distort markets and provoke overall losses, even if they occasionally provide some sectors of the economy with support and relief. The gains of some particular sectors are smaller than the total losses of the economy, so governmental laws (also termed externalities) often create prejudicial distortions. In order to appease powerful lobbies, governments are often willing to sacrifice the overall wellbeing of the economy. In fact, the economy does not vote, but farmers, trade unionists and lobbyists do...therein lies the problem.

Among the most common type of factors affecting trade patterns in a rather negative way are tariffs, non-tariff barriers (NTB), quotas, subsidies, Voluntary Restraint Agreements (VRA), environmental and labor policies, dumping, safeguards, etc.

Tariffs were widely used until the Post-War period and are considered to be one of the major causes of the Great Depression of the 1930s. Quotas are quantitative restraints on imports and were widely used in agriculture and to prevent the diffusion of products from rapidly industrializing nations, such as Japan and China. Under Voluntary Restraint Agreements, countries “agree” to limit the amount of exports to other countries.

According to Joan & Hart, nontariff barriers are “...government procurement policies, customs procedures, health and sanitary regulations, national standards, and a broad range of other laws and regulations that discriminate against imports or offer assistance to exports” (Spero & Hart: 88). More recently, environmental and labor policies have been used to discriminate against imports and have played a considerable role in trade patterns.

There are, nevertheless, factors that affect trade patterns in a positive way. The revolution brought on by information technology, the rise of the Internet, and the advances of telecommunications in the 1990s can be considered factors that affected trade patterns in a very positive sense. In fact, such technological advancements lie at the root of trade expansion during the recent wave of Globalization.

At present it is still not possible to accurately predict which of these patterns will prevail. There are, however, strong indicators that point to the prevalence of liberalizing trade patterns. The welfare of mankind certainly welcomes these developments.



Spero, J. E., and Hart J. A., The Politics of International Economic Relations. 6th ed. Belmont, CA: Thomson/Wadsworth, 2003.

Transition to a new world order

If we consider realism’s fundamental assumption about status quo states, hegemons, balance of power, challengers, and the like, the question that arises is: how can we accomplish the necessary transition from the present world order that was established at the end of World War II, to a new one without serious disruption to peace and stability.

The last time a challenger (Germany) tried to subvert the status quo, the chaos was quite big. This time around, with a nuclear-powered China on the scene, there will be no easy solution to any persistent challenge that may arise.

In this regard, it is interesting to note that in all the theories of international relations, one has proven quite accurate: realism’s assumption that the international system tends to balance itself when new powers emerge.

Therefore, it would not be wrong to assume that this new distribution of power will happen according to realism’s balance of power theory. In fact, nations such as those that make up BRIC (Brazil, Russia, India, and China) are already demanding such redistribution, which only confirms the validity of this realist assumption.

With a new distribution of power underway comes a new opportunity to address some serious concerns of mankind, one of which is the urgent issue of poverty and hunger. In this regard, Brazilian diplomacy has proposed recently a world-wide tax on arms trade to finance a hunger eradication plan.

It is worth noting that when the USA rose to hegemony in the first half of the 20th century, replacing old powers such as France and Britain, it was not able to eradicate all inequalities. It managed, nonetheless, to bring down the colonial system and to foster democratic freedom all around the world - no small feat in terms of addressing inequalities.

The point is: re-balancing the international scenario offers unique possibilities for addressing old grievances of mankind.

It is too much to expect that redistributing power will bring about complete equality. It does present, however, a huge opportunity to solve some of the problems associated with today’s enormous inequalities. If anything, it is an auspicious start. If the world could only grasp the revolutionary potential that such changes could bring. Major world threats such as poverty, the spread of pandemics, and global warming could be addressed. The world has the resources for meeting these challenges, however, the will to do so has been missing, particularly on the part of established world powers.

New emerging powers might be willing to pick up those valuable fights in order to advance their own causes, as much as the US and France did. The fact is: the world urgently needs a new revolution to advance the high ideals of justice and to reverse current environmental trends. Challengers to the existing status quo just might offer mankind and its hopes new champions in this endeavor. In this regard, the undergoing re-balancing should be most welcome by developing and developed countries alike. Viva la Revolución.



Other interesting texts on the subject:
1- Baylis, J. (2004), ‘International and Global Security in the Post-Cold War Era’, in Baylis, J. and Smith, S. The Globalization of World Politics (Oxford: Oxford University Press).
2- Claude Jr., I. L. (1998), in Kaufman, D. J., Parker, J.M., Howel, P.V., Doty, G.R. Understanding International Relations, The Value of Alternative Lenses (USA: Custom Publishing).
3- Lamy, S. (2004), ‘Contemporary Mainstream Approaches: Neo-realism and Neo-liberalism’, in Baylis, J. and Smith, S. The Globalization of World Politics (Oxford: Oxford University Press).
4- Little, R. (2004), ‘International Regimes’, in Baylis, J. and Smith, S. The Globalization of World Politics (Oxford: Oxford University Press).
5- Weber, S. (1997), ‘Institutions and Change’, in Doyle, M.W. and Ikenberry, G. J. New Thinking in International Relations Theory (Boulder Colorado: Westview Press).
6- Wendt, A. (1998), Social Theory of International Politics, (Cambridge: Cambridge University press).

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Relatório do Projeto do Milênio da ONU (tradução)

Relatório do Projeto do Milênio da
Organização das Nações Unidas
"Investindo no Desenvolvimento"

Autor: Jens Martens
Tradução: Danilo Zimbres


A seguinte tradução foi publicada na edição de setembro de 2005 (Volume 14 - Nº 2) da revista Política Externa (editora Paz e Terra). O material é, portanto, protegido por leis de direitos autorais. É expressamente proibida a cópia, a reprodução ou a utilização para qualquer finalidade sem consentimento expresso da editora.

A série "Relatórios Globais de 2005", publicada pela Fundação Friedrich – Ebert, em cooperação com o Fórum sobre Política Global – Europa, comenta os relatórios mais importantes sobre desenvolvimento e governança global, lançados como parte dos preparativos para a Cúpula Milênio + 5, da ONU, realizada em setembro de 2005.

________________________________________________________________

Após mais de dois anos de trabalho, o Projeto do Milênio das Nações Unidas publicou seu relatório final, "Investindo no Desenvolvimento", em 17 de janeiro de 2005. O relatório, como sugere seu subtítulo, consiste num "plano prático para atingir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio". O Professor Jeffrey Sachs, consultor especial do Secretário-Geral das Nações Unidas e chefe do Earth Institute, da Universidade de Columbia, em Nova York, foi seu principal autor. Esse relatório tem importância vital nos preparativos para a Cúpula Milênio + 5, da ONU, a ter lugar de 14 a 16 de setembro de 2005. Juntamente com o Relatório do Painel de Alto Nível sobre Ameaças, Desafios e Mudança, ele fornece a principal base conceitual para esse processo de preparação. As Nações Unidas reagiram de forma positiva ao relatório. Por ocasião do lançamento do documento, Marl Malloch Brown, Chefe de Gabinete de Kofi Annan e também Administrador do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas, declarou, com entusiasmo, que "a equipe do projeto nos forneceu a principal contribuição intelectual para o debate sobre desenvolvimento, partindo do sistema das Nações Unidas, em pelo menos 20 anos".


1. Histórico
Em julho de 2002, o Secretário-Geral da ONU, Kofi Annan, nomeou Jeffrey Sachs para os cargos de consultor especial para os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) e de diretor do Projeto do Milênio das Nações Unidas. O objetivo desse projeto de três anos de duração era examinar que medidas específicas seriam necessárias para atingir os ODM até 2015. Esperava-se que o Sr. Sachs e sua equipe demonstrassem que os ODM eram metas passíveis de serem atingidas e descrevessem, em detalhe, as políticas adequadas e os recursos financeiros necessários para atingí-las.

Kofi Annan tomou a iniciativa alguns meses após a Conferência das Nações Unidas sobre Financiamento do Desenvolvimento, realizada em Monterrey, no México, em março de 2002. Nessa conferência, o Banco Mundial apresentou as primeiras estimativas de custos dos ODM.1 O Banco Mundial solicitou a duplicação da Ajuda Oficial ao Desenvolvimento (AOD), ou seja, um aumento de pelo menos 40-60 bilhões de dólares norte-americanos por ano, a fim de cobrir gastos adicionais com coisas mais urgentes, como assegurar o fornecimento estável de alimentos, saúde, educação e abastecimento de água, entre outras coisas. Os compromissos assumidos pelos governos, em Monterrey, nem de longe eram suficientes para atender a essas necessidades. Alguns meses mais tarde, em seu primeiro relatório sobre a implementação da Declaração do Milênio, o Secretário-Geral das Nações Unidas concluiu: "Nos 13 anos que ainda temos pela frente, temos que avançar em uma direção muito mais ampla. De outra forma, as altissonantes palavras da Declaração servirão apenas como lembretes sombrios de necessidades humanas negligenciadas e de promessas não cumpridas." 2

A finalidade do Projeto do Milênio era fornecer provas acadêmicas da necessidade urgente de medidas adicionais de combate à pobreza, a fim de aumentar a pressão sobre os governos para fazê-los agir. Simultaneamente, Kofi Annan designou o ex-Ministro da Holanda para o Desenvolvivemto, Evelyn Herfkens, para ser o coordenador da Campanha do Milênio, com a instrução de mobilizar o público mundial pelo apoio aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (www.millenniumcampaign.org). Os esforços concentrados das Nações Unidas contribuíram, de forma não desprezível, para o fato de os ODM tornarem-se os elementos centrais no discurso sobre as políticas de desenvolvimento durante os últimos anos.

Seguindo sua designação como Chefe do Projeto do Milênio, Jeffrey Sachs montou dez forças-tarefas, as quais se ocuparam de cada um dos oito ODM, assim como dos 18 objetivos a serem atingidos. No total, cooperaram 265 especialistas em desenvolvimento, de todas as partes do mundo. Os principais cargos de coordenação da força tarefa foram, entretanto, preenchidos sobretudo por acadêmicos de universidades americanas, particularmente da Universidade de Columbia. O relatório final do Projeto do Milênio tomou por base os relatórios dessas dez forças-tarefas. Tais relatórios encontram-se publicados em um total de cerca de 3000 páginas. Em termos quantitativos, ao menos, os resultados do Projeto do Milênio superam todos os demais relatórios produzidos sobre desenvolvimento.


2. Principais declarações do Relatório Sachs
O longo relatório do Projeto do Milênio, com 350 páginas, consiste em 4 partes:

- A primeira parte assevera o porquê da importância dos ODM e explica as razões da sua não-realização;
- A segunda parte descreve o que foi feito nos próprios países em desenvolvimento para que os ODM fossem atingidos;
- A terceira parte lista propostas para ação, em nível internacional, que sirvam de suporte para a obtenção dos ODM nos níveis nacionais;
- E, finalmente, a quarta parte contém uma longa análise da relação custo x benefício que descreve em detalhe os recursos financeiros adicionais necessários para que os ODM sejam alcançados até 2015, no mais tardar.

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio
Uma parte considerável do Relatório Sachs trata dos custos de obtenção dos ODM. Tais custos são calculados com base no cômputo das necessidades de capital nos níveis nacionais. A equipe do Projeto do Milênio desenvolveu uma longa metodologia de avaliação de necessidades que foi testada em cinco países pilotos: Bangladesh, Camboja, Gana, Tanzânia e Uganda.

Primeiramente, esta metodologia apura o valor do capital total necessário para que os ODM sejam atingidos em cada país. Em seguida, estima quantos recursos poderiam ser levantados no próprio país e quanto apoio externo, na forma de Assistência Oficial ao Desenvolvimento (AOD), seria necessário. Tendo por base as cifras dos cinco países pilotos, a equipe do Relatório Sachs projetou qual valor de Ajuda Oficial ao Desenvolvimento seria necessário para financiar os ODM em nível mundial. Chegou-se à conclusão que a Assistência Oficial ao Desenvolvimento teria que aumentar até chegar a 135 bilhões de dólares norte-americanos em 2006. Isto significa dobrar o valor atual de AOD. Em 2015, o volume de AOD teria que ser triplicado, totalizando 195 bilhões de dólares. Isto significa que a AOD precisa ser ampliada, dos atuais 0,25% da Renda Nacional Bruta (RNB) dos países doadores, para 0,44% da RNB em 2006 e 0,54 %da RNB em 2015.

À luz dos compromissos publicamente assumidos (ainda que não realizados até o momento), o Relatório Sachs calculou que, em 2006, ainda faltam 46 bilhões de dólares norte-americanos para completar o total requerido. Os Estados Unidos são responsáveis pela grande maioria destes recursos que ainda faltam para completar o total necessário de financiamento, pois devem 32,2 bilhões; seguidos pelo Japão, com 10,4 bilhões; e pela Alemanha, com 3,2 bilhões de dólares.

De acordo com a equipe do Relatório Sachs, o Japão e a Alemanha carregam, neste sentido, responsabilidade especial, em função do atual debate quanto à reforma das Nações Unidas. Com relação ao relatório do Painel sobre Perigos, Desafios e Mudança3 , eles afirmam:

“Segundo as recomendações do Painel de Auto Nível, países com aspirações à liderança global por meio da associação enquanto membro permanente do Conselho de Segurança da ONU têm responsabilidade especial na promoção das Metas e no cumprimento do empenho internacional para Assistência Oficial ao Desenvolvimento e para outros tipos de apoio vital para que tais metas sejam atingidas. Subscrevemos as recomendações do Painel, segundo as quais os países desenvolvidos que ambicionam assento permanente no Conselho de Segurança deveriam comprometer 0,7% do PNB com Assistência Oficial ao Desenvolvimento.” (p.9)

Considerando-se as atuais restrições orçamentárias dos países doadores, o Relatório Sachs considera, obviamente, como impraticável que o aumento necessário em AOD possa ser financiado somente pelos orçamentos nacionais. É por esta razão que o relatório conclama todos os países doadores a apoiar a proposta britânica de criação de um fundo internacional, chamado Mecanismo Financeiro Internacional (MFI). Tal fundo, a ser financiado pela emissão de títulos resgatáveis a longo prazo (bonds), poderia ser estabelecido em 2006.

“Fast track” – “Quick win”
O Relatório Sachs recomendou que, em 2005, pelo menos 12 países de baixa renda, boa governança (good governance) e alta capacidade de absorver capital estrangeiro fossem identificados e declarados países de obtenção rápida dos ODM (MDG Fast Track Countries), para que a consecução dos ODM fosse acelerada. A AOD para estes países deveria ser imediatamente aumentada de maneira significativa. O Relatório cita, como critérios para escolha dos países, entre outros, as condições da Corporação dos Estados Unidos para os Desafios do Milênio – CDM (United States Millennium Challenge Corporation). Os critérios de financiamento da CDM incluem “liberdade econômica” associada com a primazia do mercado liberal (free market) e políticas de comércio favoráveis às empresas. O índice de liberdade econômica da conservadora Heritage Foundation serve como indicador para a avaliação das políticas comerciais. Esta abordagem, contudo, contrasta nitidamente com outras mensagens do Relatório Sachs sobre comércio e políticas econômicas.4 Além disto, a equipe de Jeffrey Sachs recomendou algumas iniciativas de vitória rápida (quick win initiatives), que poderiam ser iniciadas em 2005 e melhorariam imediatamente as condições de vida de milhões de pessoas. Tais iniciativas incluem a abolição total de taxas escolares para a educação primária e para os serviços de saúde básicos, o fornecimento gratuito de merenda escolar em regiões de escassez alimentar e a distribuição de mosquiteiros para todas as crianças em regiões nas quais a malária ocorre com freqüência.

O significado vital dos ODM
Os ODM são o ponto de partida do Projeto do Milênio e seu Relatório. Para Jeffrey Sachs e sua equipe, os ODM representam quantitativamente, até agora, a mais extensa coleção de objetivos centrais, de duração fixa, sobre os quais foi construído um consenso global desde setembro de 2000. Isto fez com que se transformassem no “fulcro da política internacional de desenvolvimento”, de importância vital para a segurança e a estabilidade nacional e internacional. E eles são alcançáveis. A mensagem otimista do relatório é que, ainda que o mundo encontre-se longe de atingir os ODM, tais objetivos podem ser atingidos, caso as medidas políticas necessárias sejam tomadas imediatamente.

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio:

- Objetivo 1: Erradicar a pobreza extrema e a fome
- Objetivo 2: Atingir o ensino básico universal
- Objetivo 3: Promover a igualdade entre os sexos e a valorização das mulheres
- Objetivo 4: Reduzir a mortalidade infantil
- Objetivo 5: Melhorar a saúde materna
- Objetivo 6: Combater o HIV/AIDS, a malária e outras doenças
- Objetivo 7: Garantir a sustentabilidade ambiental
- Objetivo 8: Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento

Segundo os indicadores de consecução dos ODM, houve, desde 1990, avanço em muitas áreas. Diminuiu, em todo o mundo, o número de pessoas vivendo com menos de um dólar por dia. Taxas de alfabetização, indicadores de igualdade entre sexos e valorização das mulheres também melhoraram em muitas regiões do mundo. Já se nota aqui, entretanto, um defeito fundamental na abordagem geral dos ODM. O Relatório Sachs não soluciona este defeito. Os objetivos e metas são desprovidos de ambição, reflexo inadequado dos problemas mais complexos que envolvem a pobreza e a exclusão social. Número de matrículas escolares, taxas de alfabetização de meninas e meninos e número de parlamentares do sexo feminino são tomados por indicadores de igualdade entre os sexos. Segundo estes indicadores, houve progresso, em termos de igualdade entre os sexos, em todas as regiões do mundo, e muitas regiões estão no caminho certo para a consecução do objetivo número 3. Tais indicadores são, contudo, totalmente enganosos, visto ser extremamente difícil se afirmar, a partir deles, que a igualdade entre os sexos foi conquistada.

Encontra-se um problema semelhante com o primeiro e mais crucial ODM, qual seja, reduzir à metade a proporção das pessoas vivendo com menos de um dólar por dia. Se considerado à luz da sua própria lógica, este objetivo estatístico sugere que o problema da pobreza extrema seria solucionado a partir do momento em que a renda de todos os pobres se elevasse até 1,10 dólares por dia. Ao menos, o Relatório Sachs define os ODM especificamente como metas individuais para cada país e não enquanto meras metas globais, a serem atingidas em 2015. Seria um erro, de acordo com o relatório, declarar vitória na guerra contra a pobreza somente pelo fato de que a situação econômica tenha melhorado em partes da China e da Índia, ao passo que, em dezenas de outros países, centenas de milhões de pessoas continuam a viver em extrema pobreza. Sobretudo os países da África Subsaariana e inúmeros outros países da Ásia não conseguirão, em 2015, alcançar os ODM, caso persistam padrões atuais de desenvolvimento.

As causas do fracasso até o presente momento
Há vários motivos pelos quais diversos países ainda não conseguiram resolver os problemas mais prementes da pobreza, e não conseguirão caso persista a atitude atual. O Relatório Sachs identifica quatro motivos principais para fracassos anteriores:
- Fracassos de governança. Falta de estado de direito e de políticas econômicas adequadas restringiram o desenvolvimento econômico em vários países.
- Armadilha da pobreza. Baixas taxas de poupança e falta de capital obstam o desenvolvimento de infra-estrutura (estradas, escolas, hospitais, etc.) e de uma administração pública operante. Estes são, entretanto, pré-requisitos para o crescimento econômico auto-sustentável, o qual, por sua vez, geraria novos recursos. Os problemas são intensificados por condições geográficas adversas.
- Bolsões de pobreza. Mesmo em países como a China, o Brasil e a Índia, setores da população e regiões inteiras foram excluídos dos processos políticos e econômicos em conseqüência dos investimentos públicos insuficientes.5
- Áreas de negligência política específica. Alguns objetivos de desenvolvimento não foram atingidos pelo fato de que políticos, nos países interessados, falharam em reconhecer os problemas ou preferiram ignorá-los. Isto se aplica, entre outros, aos problemas ambientais e aos problemas de igualdade entre os sexos.

Em suma: nos países em desenvolvimento, as pessoas são pobres em função das políticas inadequadas dos seus governos e em função da falta de recursos financeiros capazes de impulsionar uma decolagem rumo ao crescimento econômico durável, que se baseie no próprio esforço das pessoas. Problemas estruturais, como a distribuição desigual de renda e riqueza, da posse da terra e do poder político no interior deste países e entre o Norte e o Sul, bem como as condições econômicas mundiais permanecem, em grande medida, negligenciados. A esse respeito, o relatório adota uma abordagem da questão do desenvolvimento enraizada na teoria da modernização dos anos 1950 e 1960. Não surpreende que o relatório atinja conclusões similares, que lembram, até mesmo no estilo, a fórmula das políticas de desenvolvimento sugeridas em décadas passadas.

Programas de investimento para combater a pobreza
o âmago do relatório Sachs consiste, segundo suas próprias palavras, em “passos práticos” no direcionamento de políticas nacionais rumo aos ODM. O relatório conclama, primeiramente, os governos dos países desenvolvidos a formular um projeto de 10 anos para que os ODM sejam alcançados. Tal projeto deveria ser complementado por estratégias detalhadas, de três a cinco anos, listando as medidas políticas concretas necessárias para que os ODM sejam alcançados em 2015 (“estratégias de redução da pobreza fundamentadas nos ODM”). Tais estratégias deveriam incluir custos e planejamento orçamentário. O planejamento estratégico deveria, por seu turno, indicar o potencial de mobilização de recursos domésticos e o nível de financiamento externo necessário, na forma de AOD. Estas estratégias deveriam ser fundamentadas em estimativa detalhada das necessidades de implementação em cada país. o Projeto do Milênio já completou a estimativa detalhada das necessidades de implementação em cinco países pilotos, com vistas à quantificação da exigência mundial de recursos necessários para que se alcançassem os ODM.(cf. acima)

Nos locais nos quais já existem Estudos sobre Estratégias de Redução de Pobreza (EERP), os países envolvidos deveriam adequá-los aos ODM. Tanto a sociedade civil quanto o setor privado deveriam desempenhar papel fundamental no desenho e na implementação destas estratégias de desenvolvimento.

O cerne das respectivas estratégias deveria ser formado por um extenso programa de investimento público. Deveria, sobretudo, servir para o desenvolvimento da infra-estrutura necessária e para o bom funcionamento da administração pública. Eis a mensagem chave do relatório: o mercado, sozinho, é incapaz de solucionar os problemas mais prementes da pobreza. Investimento público e subsídios são necessários para que se lance a pedra fundamental de uma economia de mercado que funcione. A equipe de Jeffrey Sachs conclama, de modo explícito, os estados a desempenharem um papel maior e a se distanciarem dos conceitos neoliberais genuínos de desregulamentação e privatização, os quais o próprio Sachs ainda propagava há alguns anos.

Nas recomendações que faz, entretanto, o relatório é contraditório. Por um lado, advoga um aumento na mobilização de recursos domésticos, especialmente na forma de impostos, ao passo que, por outro lado, conclama ao estabelecimento de zonas econômicas especiais e paraísos fiscais para investidores estrangeiros. Embora o relatório enfatize o papel positivo que o setor privado pode desempenhar na obtenção dos ODM e defenda as parcerias público-privadas (PPP), ele também expõe os limites do comprometimento do setor privado:

“o fato de que o setor privado não serve aos mais pobres dos pobres não constitui, por si só, um malogro do mercado, pois supõe-se dos mercados que orientem suas atividades por altos lucros e não pelo interesse de pessoas de parcos recursos. Os mercados, deixados à sua própria sorte, não suprirão as necessidades imediatas das comunidades mais depauperadas. Em vez disto, para as comunidades mais pobres e isoladas, financiamento público e subsídios terão que criar as condições propícias para que floresça a economia de mercado.” (p. 141) 6
Ao mesmo tempo, contudo, o relatório conclama mais responsabilidade social empresarial. Nesse contexto, faz menção explicita ao Gobal Compact 7 e à campanha Publish What You Pay 8 e propõe mais rigidez nas normas da ONU sobre a Responsabilidade das Corporações Transnacionais e Outras Iniciativas Empresariais com Relação aos Direitos Humanos.

Na maioria dos casos, os recursos financeiros que os países são capazes de angariar não são suficientes para implementar os enormes investimentos em infra-estrutura, ensino básico, saneamento, etc. necessários para que os ODM sejam alcançados na próxima década. A assistência externa é, portanto, indispensavelmente necessária para apoiar estes processos em nível nacional. Na terceira parte, o Relatório Sachs trata, de maneira lógica, da contribuição que o sistema internacional deve fazer para que se alcancem os ODM.

Críticas severas às práticas de Assistência ao Desenvolvimento
Ao passar em revista o estado do atual sistema de assistência ao desenvolvimento, o relatório apresenta um diagnóstico extremamente crítico:

“O sistema internacional está mal equipado para oferecer [apoio internacional] devido à deficiência em termos de regras aprovativas, arranjos institucionais eficazes, e, sobretudo, determinação de transformar intenções em ação.” (p. 193)

O relatório resume suas críticas ao sistema atual em 10 pontos:
- Em nível internacional, “o sistema carece de uma abordagem coerente, que se baseie nos ODM, para a redução da pobreza.” As instituições de Bretton Woods, em particular, e o FMI em especial, falharam, nas suas deliberações políticas, na tarefa de dar importância sistemática aos ODM.
- “Estratégias de apoio são diferenciadas, de forma inadequada, em função das necessidades dos países”. Além do mais, atenção insuficiente é dada às diferenças no modo de governo - “Desenvolvimento é um processo de longa duração, ainda que dominado por processos de curta duração”
- “Suporte técnico não é adequado para scalling up aos ODM.” As organizações internacionais relevantes, tais como a FAO 9, a OMS, IFAD UNICEF e UNIDO normalmente se concentram em pequenos projetos e não tem estrutura adequada para dar apoio a programas nacionais.
- “Agências multilaterais são inadequadamente coordenadas” em nível nacional.
- “Financiamento do desenvolvimento não se baseia em necessidades nem é compatível com necessidades dos ODM.”
- “O perdão de dívidas não se encontra associado aos ODM.” Os critérios de sustentabilidade de endividamento falharam, até o presente momento, no sentido de levar os ODM em consideração.
- “O financiamento para o desenvolvimento é de baixa qualidade.” O financiamento para o desenvolvimento é freqüentemente imprevisível, vinculado a fornecedores específicos e serve mais aos interesses particulares dos países doadores do que às estratégias dos países recipientes. Atualmente, somente 24% da assistência ao desenvolvimento está beneficiando, nos países de baixa renda, projetos que tem por alvo, de maneira direta, os ODM; nos países de renda média, a porcentagem é de apenas 9 porcento.
- “As principais prioridades dos ODM são sistematicamente negligenciadas.” Isto se aplica, por exemplo, aos investimentos em integração regional, gerenciamento do meio ambiente e promoção da igualdade entre os sexos.
- “Países doadores demostram falta persistente de coerência nas suas políticas.” Os governos dos países doadores, por exemplo, concedem assistência ao desenvolvimento para apoiar a produção agrícola voltada para a exportação, ao mesmo tempo em que erigem barreiras comerciais para dificultar o acesso destes produtos aos seus mercados domésticos.

Lista de afazeres para que se intensifique a cooperação para o desenvolvimento
O Relatório do Projeto do Milênio também inclui, enquanto imagem refletida dos problemas por ele realçados, lista de afazeres, com propostas concretas para que se intensifique a cooperação para o desenvolvimento. As seguintes recomendações são seus pontos principais:
- Os ODM deveriam tornar-se a base de todas as estratégias para o desenvolvimento de todos os programas internacionais de financiamento correlatas. Isto se aplica explicitamente às instituições de Bretton Woods.
- O papel coordenador das Nações Unidas deveria ser reforçado, tanto em nível nacional quanto em nível internacional. Em nível internacional, isto se refere ao Grupo para o Desenvolvimento da ONU; Em nível nacional, às Equipes Nacionais da ONU. Os representantes dos países no FMI e no Banco Mundial deveriam cooperar de modo mais intenso com as Equipes Nacionais da ONU.
- O nível de AOD deveria ser baseado em extensa avaliação das necessidades e drasticamente incrementado. A fim de que os ODM sejam alcançados, a AOD deveria ser imediatamente duplicada e, em 2015, triplicada (cf. acima).
- A extensão do perdão às dividas externas dos países pobres deveria ser ampliada significativamente. Muitos dos países mais pobres deveriam receber perdão de 100% de suas dívidas. As dívidas dos países de renda média e dos países pobres que não se encontram na lista dos Países Pobres Altamente Endividados (HIPC), tais como a Nigéria, deveriam ser reduzidas de forma considerável. Há necessidade de um novo critério de sustentabilidade de endividamento, que deve levar em consideração a implementação dos ODM.
- Como corolário, a AOD deveria ser oferecida aos países pobres, não na forma de empréstimos, que devem ser pagos novamente, mas sim na forma de doações.
- Os países doadores deveriam simplificar radicalmente sua assistência ao desenvolvimento e continuar a harmonizá-la. O Relatório defende apoio aumentado para abordagens setoriais e assistência orçamentária direta, ao invés de projetos de assistência de pequena escala. O Relatório demanda, além do mais, o fortalecimento da cooperação multilateral para o desenvolvimento, tendo em vista o fato de que “assistência oficial multilateral ao desenvolvimento é, normalmente, de qualidade muito superior à assistência bilateral.” (p.208)
- Países doadores deveriam monitorar, com regularidade, se suas políticas para o desenvolvimento, sua política externa e suas finanças são ou não coerentes, ou seja, se estão ou não de acordo com os ODM. Além dos relatórios governamentais sobre as 8 Metas (Goal-8-Reports), deveria haver relatórios independentes sobre coerência. Tais relatórios deveriam ser publicamente acessíveis e verificáveis.

Ao lado destas recomendações sobre políticas para o desenvolvimento, o Relatório Sachs conclama os governos dos países industrializados a fazer concessões nas suas políticas de comércio internacional. O Relatório observa, de modo explícito, que o atual sistema mundial de comércio serve, sobretudo, aos interesses de alguns poucos países industrializados e é, por conseguinte, desequilibrado, segundo a perspectiva dos países em desenvolvimento. Conquanto o Relatório defenda a completa liberalização do comércio mundial em 2025, explica, ao mesmo tempo, que a equação “comércio ao invés de assistência” é enganosa. A fim de que se reconcilie a política internacional com os ODM, os termos de troca para os países em desenvolvimento precisam ser significativamente melhorados. Isto significa, particularmente, a abertura dos mercados dos países industrializados para as exportações dos países em desenvolvimento, o fim definitivo de todos os subsídios para exportação de produtos agrícolas e melhoras na competitividade do lado da oferta dos países em desenvolvimento, especialmente por meio de investimentos em infra-estrutura (estradas, portos, fornecimento de energia, etc). Para compensar os custos do ajuste da liberalização do comércio posterior à Rodada de Doha, o relatório propõe o estabelecimento de um fundo temporário que troque assistência por comércio (Aid for Trade Fund).


3. Conclusões
O Relatório do Projeto do Milênio é um apelo dramático aos governos no sentido de não persistirem com sua abordagem corriqueira atual em face da pobreza mundial. Ao mesmo tempo, empenha-se em nutrir as pessoas de otimismo e em demonstrar que os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ainda não são uma causa perdida, podendo ser alcançados por meio de um plano prático. O aspecto adverso deste método pragmático é sua abordagem tecnocrática, qual seja, o fato de que ele procura resolver os problemas globais principalmente por meio de novos planos de desenvolvimento, mais dinheiro e melhor tecnologia. Em parte, suas propostas de vitória rápida, tais como o fornecimento de mosquiteiros para os pobres, parecem ingênuas, ainda que de forma não intencional, face à magnitude do problema da pobreza mundial.

O Relatório Sachs se restringe, em grande medida, ao alívio superficial dos sintomas da pobreza. As causas estruturais da pobreza e das injustiças sociais permanecem, em grande medida, negligenciadas. Sua fraqueza reflete o problema subjacente à estratégia dos ODM. A redução, de cunho populista, do desenvolvimento a alguns objetivos e metas e o foco na pobreza “extrema” carregam consigo o perigo do distanciamento de abordagens de desenvolvimento de maior alcance , sobretudo o distanciamento dos conceitos de desenvolvimento ambientalmente sustentável e socialmente justo. Aspectos estruturais de justiça distributiva, bem como as condições econômicas mundiais e as políticas de poder que influenciam o desenvolvimento não são, quase nunca, abordados pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

O Relatório do Projeto do Milênio, entretanto, é um importante documento de referência, pois agrupa o conhecimento e a experiência de 265 especialistas em desenvolvimento e, desta forma, reflete a essência do discurso em voga sobre as políticas para o desenvolvimento.

Ao mesmo tempo, o relatório é de vital significação enquanto base para o relatório de Kofi Annan sobre a implementação da Declaração do Milênio, a ser publicado em Março de 2005. A abordagem pragmática do Relatório Sachs certamente dá passos importantes na direção do intento de tal documento: a formulação de recomendações políticas exeqüíveis para a Conferência das Nações Unidas, a realizar-se em setembro de 2005.

O Relatório Sachs contém argumentos úteis de apoio às demandas por reformas na cooperação para o desenvolvimento, para o cancelamento das dívidas e para um aumento substancial na AOD. O encontro de cúpula do G7/8 em julho e a Cúpula Milênio + 5, a realizar-se em setembro de 2005, demonstrarão se os chefes de estado foram ou não convencidos por estes argumentos.


Autor: Jens Martens, Diretor do Escritório Europeu do Fórum sobre Política Global.
Tradução: Danilo Zimbres.

As Fontes da Conduta Soviética (tradução)

O texto a seguir é uma tradução do texto original "The Sources of Soviet Conduct", de George Kennan (o famoso Long Telegram), publicado na revista Foreign Affairs, em Julho de 1947.

A tradução, feita por mim, foi publicada na edição de junho de 2005 (Volume 14 - Nº 1) da revista Política Externa (editora Paz e Terra). O material é, portanto, protegido por leis de direitos autorais. É expressamente proibida a cópia, a reprodução ou a utilização para qualquer finalidade sem consentimento expresso da editora.

O Longo Telegrama representou o principal elemento teórico de apoio às teses conservadoras da política norte-americana, desde a década de 1950. Seu maniqueísmo simplista denota importantes aspectos do viés intelectual de parte influente da intelectualidade dos Estados Unidos. O documento constitui, portanto, importante fonte de pesquisa e reflexão.

Sua leitura crítica serve, sobretudo, para entender melhor o modus operandi do pensamento ultraconservador estadunidense. Sua compreensão permite contemplar, de forma mais acurada, as decisões tomadas pela política externa desse país em tempos recentes. Desse modo, torna-se mais clara a postura beligerante e intransigente dos EUA durante a Guerra Fria e no período posterior à queda do Muro de Berlim.



__________________________________________________________________________

As Fontes da Conduta Soviética

Resumo: A personalidade política do poder soviético, tal como nós o conhecemos atualmente, é produto da ideologia e das circunstâncias: da ideologia herdada pelos atuais líderes soviéticos do movimento no qual eles tiveram sua origem política, e das circunstâncias do poder que eles têm, até o momento, exercido por quase três décadas na Rússia. Poucas tarefas de análise psicológica poderiam ser mais difíceis do que tentar traçar a interação destas duas forças e o papel relativo de cada uma delas na determinação da conduta soviética oficial. No entanto, tal empreendimento é necessário caso queiramos entender tal conduta e nos opormos a ela eficazmente.

I
A personalidade política do poder soviético, tal como nós o conhecemos atualmente, é produto de ideologia e de circunstâncias: da ideologia herdada pelos atuais líderes soviéticos do movimento no qual eles tiveram sua origem política, e das circunstâncias do poder que eles têm, até o momento, exercido por quase três décadas na Rússia. Poucas tarefas de análise psicológica poderiam ser mais difíceis do que tentar traçar a interação destas duas forças e o papel relativo de cada uma delas na determinação da conduta soviética oficial. No entanto, tal empreendimento é necessário caso queiramos entender a sua conduta e nos opormos a ela eficazmente. É difícil resumir o conjunto de conceitos ideológicos com os quais os líderes soviéticos chegaram ao poder. A ideologia Marxista, na sua vertente russa e comunista, sempre esteve em processo de evolução sutil. Os elementos nos quais se apoia são vastos e complexos. Podemos resumir, entretanto, as principais características do pensamento comunista existente em 1916 da seguinte forma: (a) o fator central na vida humana, o fator que determina o caráter da vida pública e a “fisionomia da sociedade”, é o sistema de produção e troca de bens materiais; (b) o sistema capitalista de produção é um sistema abominável que leva, de forma inevitável, à exploração da classe operária pelos detentores do capital. Tal sistema é incapaz de desenvolver adequadamente os recursos econômicos de uma sociedade e distribuir justamente os bens materiais produzidos pelo trabalho humano; (c) o capitalismo contém as sementes da sua autodestruição e, tendo em vista a inabilidade dos detentores do capital em se adaptar às mudanças econômicas, resultará portanto, de forma inexorável, na transferência revolucionária do poder para a classe trabalhadora; (d) o imperialismo, fase final do capitalismo, conduz à guerra e a revolução.

Pode-se resumir o resto de tal pensamento com as próprias palavras de Lenin: “A desigualdade no desenvolvimento político e econômico é a lei inflexível do capitalismo. Disto se conclui que a vitória do socialismo pode acontecer em alguns países capitalistas ou mesmo em um único país capitalista. Os proletários vitoriosos daquele país, tendo expropriado os capitalistas e organizado no seu próprio país a produção socialista, insurgir-se-ão contra o restante do mundo capitalista, atraindo para sua esfera, no curso deste processo, as classes oprimidas de outros países.” [ver nota 1] Há que se tomar nota do fato que tal análise não contém a conjetura de que o capitalismo sucumbiria sem a revolução proletária. Uma estocada derradeira, desfechada pelo movimento proletário revolucionário, seria necessária para derrubar a estrutura cambaleante. Considerava-se, porém, inevitável que, cedo ou tarde, tal estocada fosse dada.

Ao longo dos 50 anos anteriores à eclosão da revolução, este modelo de pensamento tinha exercido grande fascinação entre os membros do movimento revolucionário russo. Frustrados, insatisfeitos, sem esperanças de encontrar expressão da própria personalidade nos restritos limites do sistema político tsarista - ou impacientes demais para procurá-la -, necessitando, não obstante, amplo suporte popular para sua opção sanguinária de revolução social entendida enquanto meio de aperfeiçoamento social, estes revolucionários encontraram na teoria marxista uma racionalização extremamente conveniente para seus desejos instintivos. O marxismo lhes propiciava uma justificação pseudocientífica para sua impaciência, para sua negação categórica de todos os valores do sistema tsarista, para seu ardente desejo de vingança e poder e para sua propensão a atalhos para obtê-los. Não é, portanto, nenhuma surpresa que eles tivessem chegado ao ponto de acreditar de modo icplícito na verdade e na solidez dos ensinamentos marxistas-leninistas, tão adequados aos seus próprios impulsos e emoções. Não há razão para duvidarmos de sua sinceridade. Trata-se de um fenômeno tão antigo quanto a própria humanidade. Tal fenômeno nunca havia sido antes descrito com tanta aptidão quanto por Edward Gibbon, que escreveu em “O Declínio e Queda do Império Romano”: “a pequena distância que separa o entusiasmo do embuste é sutil e escorregadia; o gênio de Sócrates nos dá testemunho notável de como um homem sábio se engana, de como um homem bom pode enganar a outros, de como a consciência pode cair em um estado confuso e medíocre de sonolência, um estado entre o enganar-se a si mesmo e a fraude deliberada”. Foi, destarte, com tal conjunto de conceitos que os membros do partido Bolchevique chegaram ao poder. Há que se notar que, durante todos estes anos de preparação para a revolução, a atenção destes homens, como a atenção do próprio Marx, havia se dirigido mais para a necessária derrubada do poder rival, a qual, na sua visão, teria que preceder a introdução do Socialismo, do que para a forma futura que o mesmo assumiria [ver nota 2]. Suas visões acerca do programa positivo a ser implementado a partir do momento no qual se tomasse o poder eram, portanto, nebulosas, quiméricas e impraticáveis na maioria das vezes. Não havia um programa acertado que fosse além da nacionalização da indústria e da expropriação do grande capital acionário. O tratamento a ser dado aos camponeses, que segundo a formulação marxista não se equiparavam aos proletários, tinha sido sempre um ponto vago no padrão de pensamento comunista e permaneceu sendo um ponto de controvérsia e hesitação durante os primeiros dez anos de poder comunista.

As circunstâncias do período imediatamente posterior à revolução –a existência na Rússia de guerra civil e a intervenção estrangeira, ao lado do óbvio fato que os Comunistas representavam somente uma pequena minoria do povo Russo– fez do estabelecimento do poder ditatorial uma necessidade. O experimento com o “comunismo de guerra” e a tentativa abrupta de eliminar a produção privada e o comércio tinham causado, infelizmente, conseqüências econômicas desfavoráveis e produzido ainda mais amargores contra o novo regime revolucionário. Conquanto o temporário relaxamento do esforço de comunização na Rússia, representado pela Nova Política Econômica, aliviasse parte deste infortúnio econômico, servindo assim aos seus objetivos, tal relaxamento também fez com que se tornasse evidente que o “setor capitalista da sociedade” permanecia preparado para lucrar com qualquer relaxamento da pressão governamental e iria constituir sempre, caso lhe fosse permitido continuar a existir, um poderoso elemento de oposição ao regime soviético e um sério rival na luta por influência sobre o país. De certa forma, a mesma situação também vigorou com relação à pessoa do agricultor, o qual, de sua maneira simples, também era um pequeno produtor capitalista.

Lenin, caso continuasse a viver, poderia ter se revelado um homem à altura do desafio de reconciliar estas forças conflitantes com o maior proveito da sociedade Russa, embora tal hipótese seja questionável. Mas, seja como for, Stalin e aqueles por ele liderados na luta pela sucessão da liderança de Lenin, não eram os tipos de homens que tolerassem forças políticas rivais na esfera de poder que eles cobiçavam. Seu senso de insegurança era grande demais. Seu tipo de fanatismo, inalterado por nenhuma das tradições anglo-saxãs de conciliação, era muito raivoso e ciumento para conjeturar qualquer compartilhamento permanente de poder. Do mundo russo-asiático do qual eles emergiram, trouxeram consigo um ceticismo em relação às possibilidades de coexistência pacífica e permanente de forças rivais. Facilmente convencidos acerca da sua própria “correção” doutrinária, eles insistiam na sujeição ou destruição de todo poder rival. Fora do partido comunista, a sociedade russa não deveria ter nenhuma rigidez. Não deveriam haver formas de atividade ou associação humana coletiva que não fossem dominadas pelo partido. A nenhuma outra força na sociedade russa seria permitido obter vitalidade ou integridade. Somente ao partido era permitido estruturar-se. Todo o resto deveria ser uma massa amorfa.

Mesmo ao âmago do partido, aplicar-se-ia tal principio. A massa de membros do partido até poderia passar pelo processo de eleições, deliberações, decisões e ações; mas deveriam ser animados, nestes processos, não pelas suas vontades e sim pela apavorante expressão da liderança do partido e pela presença onipresente “do comando” vindo do direção do partido.

Que seja salientado, mais uma vez, que é muito provável que estes homens não estivessem a procurar de forma subjetiva o absolutismo como um fim em si mesmo. Eles sem dúvida acreditavam –e era conveniente que o fizessem– que somente eles sabiam o que era bom para a sociedade e que realizariam este Bem a partir do momento em que tivessem assegurado poder incontestável. Ao procurar a segurança do seu próprio governo, entretanto, aquela massa de membros do partido não estava preparada para aceitar restrição alguma, divina ou humana que fosse, ao caráter dos seus métodos. Além disto, até que chegasse o tempo no qual esta segurança tivesse sido obtida, eles atribuíam um valor baixíssimo, na sua escala de prioridades operacionais, aos confortos e felicidades dos povos de cuja proteção sentiam-se incumbidos.

A circunstância atual mais relevante no que diz respeito ao regime Soviético é que, até o presente momento, este processo de consolidação política nunca foi completado e os indivíduos no Kremlin continuam a ser predominantemente absorvidos pelo esforço para consolidar e tornar absoluto o poder que eles conquistaram em novembro de 1917. Eles se empenharam em consolidar tal poder, em primeiro lugar, contra forças domésticas no seio da própria sociedade Soviética, devido ao fato de que a ideologia, como nós havíamos analisado, os ensinara que o mundo exterior era hostil e que era seu dever, portanto, derrotar as forças políticas acolá de suas fronteiras. As mãos poderosas da história e da tradição russa os sustentavam nessa crença. Por fim, sua própria intransigência agressiva em relação ao mundo exterior começou a encontrar sua própria reação e eles logo se viram obrigados a, nas palavras de Gibbons, “castigar a rebeldia” que eles mesmos tinham estimulado. É um privilégio inquestionável de cada homem provar correta sua tese de que o mundo é seu inimigo; pelo simples fato que, caso ele a reitere com freqüência suficiente e faça dela o motivo de sua conduta, ele estará fadado a ter razão.
continuado...

É da natureza do mundo mental dos líderes soviéticos, bem como do caráter de sua ideologia, acreditar, na verdade, que nenhuma oposição possa ser reconhecida de forma oficial como possuidora de qualquer mérito ou justificativa. Tal oposição só poderia emanar, em teoria, das forças hostis e incorrigíveis do capitalismo moribundo. Enquanto os vestígios do capitalismo fossem oficialmente reconhecidos na Rússia, seria possível culpá-los de modo parcial, enquanto elementos intrínsecos, pela manutenção de uma forma ditatorial de sociedade. Quando tais vestígios foram, entretanto, pouco a pouco liquidados, esta justificativa dissolveu-se; e quando foi declarado oficialmente que eles haviam desaparecido de forma completa, tal justificativa desapareceu por inteiro. Este fato criou uma das mais básicas compulsões que passou a atuar sobre o regime soviético: como o capitalismo não mais existisse na Rússia e como não se pudesse admitir que houvesse oposição séria ou generalizada ao Kremlin emanando de forma espontânea das massas libertas sob sua autoridade, tornou-se necessário justificar a conservação da ditadura pela ênfase na ameaça do capitalismo estrangeiro.

Isto aconteceu desde os primórdios. Em 1924, Stalin defendeu de forma específica a manutenção dos “órgãos de supressão”, principalmente, entre outros, o exército e a polícia secreta pela razão de que “enquanto houver um cerco capitalista haverá o perigo de intervenção, com todas as conseqüências que emanam daquele perigo.” De acordo com esta teoria, e desde então, todas as forças internas de oposição na Rússia foram descritas de forma constante como sendo agentes de forças estrangeiras de reação, antagônicas ao poder Soviético. Justamente por isto, foi colocada tremenda ênfase na tese comunista original de um antagonismo de base entre os mundos capitalista e socialista. Fica evidente, devido aos muitos indícios, que tal ênfase não encontra fundamento na realidade. Os fatos reais tornaram-se confusos pela existência, no exterior, de ressentimento genuíno causado pela filosofia e pelas táticas soviéticas e, eventualmente, pela existência de grandes centros de poder militar, em particular o regime Nacional Socialista na Alemanha e o governo japonês do final dos anos 30, que tinham efetivamente desígnios agressivos contra a União Soviética. Há, entretanto, evidência ampla de que a ênfase dada por Moscou à ameaça exterior contra a qual a sociedade soviética se confronta baseia-se não nas realidades do antagonismo externo mas sim na necessidade de encontrar justificativas exteriores para a manutenção da autoridade ditatorial na própria Rússia.

Nessas circunstâncias, a manutenção deste padrão de poder soviético, qual seja, a procura pela autoridade ilimitada nos assuntos internos, acompanhada pelo cultivo do quase mitológico conceito da hostilidade externa implacável, foi muito longe ao modelar a máquina atual de poder soviético tal como nós a conhecemos hoje. Os órgãos internos da administração que não serviram a estes desígnios foram deixados à míngua. Os órgãos que serviram a estes desígnios tornaram-se imensamente inchados. A segurança do poder soviético passou a repousar na férrea disciplina do partido, na severidade e na ubiqüidade da polícia secreta e no monopólio intransigente do estado. Os “órgãos de supressão,” nos quais os líderes soviéticos tinham procurado proteção contra forças rivais, tornaram-se, em grande medida, os mestres daqueles para os quais tinham sido designados para servir. A maior parte da estrutura de poder soviética está, nos dias atuais, comprometida com o aperfeiçoamento da ditadura e com a manutenção do conceito segundo o qual a Rússia encontrar-se-ia em um estado de sitio, com o inimigo espreitando atrás do muro de modo ameaçador. Os milhões de seres humanos que são parte desta estrutura de poder são obrigados a defender, a todo custo, tal conceito, pois, sem ele, tais indivíduos tornar-se-iam supérfluos.

Da forma como encontram-se as coisas nos dias de hoje, os atuais governantes já não podem mais sonhar em desvencilharem-se deste órgãos de supressão. A busca pelo poder absoluto, levada à cabo por quase três décadas com crueldade sem igual nos tempos modernos (no seu escopo, ao menos), produziu internamente, da mesma forma como produziu externamente, sua própria reação. Os excessos do aparato policial inflamaram a potencial oposição ao regime e fizeram dela algo muito maior e mais perigoso do que teria sido antes deste excessos começarem. Mais do que nunca, os governantes já não podem prescindir da ficção com a qual a manutenção do poder ditatorial foi defendida. Pelo fato que tal ficção foi canonizada na filosofia soviética pelos excessos que já foram cometidos em seu nome; e que estão esteados na estrutura de pensamento soviética, nos dias atuais, por vínculos muito maiores do que a mera ideologia.

II
O conhecimento histórico que vimos até aqui já nos é suficiente. O que isto significa em termos da personalidade política do poder soviético tal como o conhecemos nos dias de hoje?

Da ideologia original, nada foi oficialmente descartado. Mantem-se a crença na maldade fundamental do capitalismo, na inevitabilidade de sua destruição, na obrigação do proletariado em ajudar a levá-la a termo e conquistar o poder em suas próprias mãos. A ênfase passou a ser colocada, entretanto, sobretudo naqueles conceitos que se relacionam de modo mais específico com o próprio regime soviético: sua posição enquanto o único regime verdadeiramente socialista em um mundo envolto em trevas e descaminhos; e as relações de poder dentro dele.

O primeiro destes conceitos é o do antagonismo inato entre o capitalismo e o socialismo. Já vimos como tal conceito entranhou-se, de forma tão profunda, nas fundações do poder soviético. Tal fato tem implicações profundas para a conduta da Rússia enquanto país membro da sociedade internacional. Isto significa que não haverá jamais, da parte de Moscou, nenhuma conjetura sincera de uma comunhão de intenções entre a União Soviética e os países considerados capitalistas. Moscou há de supor, de modo invariável, que as intenções do mundo capitalista são antagônicas àquelas do regime soviético e, portanto, aos interesses dos povos que ele controla. Caso o governo soviético por ventura coloque sua assinatura em documentos que indiquem o contrário, há que se considerar tal ato como manobra tática admissível no trato com o inimigo (o qual não tem honra) e interpretá-lo dentro do espírito do caveat emptor. (NT: expressão latina que significa “o comprador que se cuide”; princípio segundo o qual é o comprador quem assume a responsabilidade pela compra de um bem e deveria, portanto, examiná-lo de forma cuidadosa antes de comprá-lo.) O antagonismo persiste, no essencial. É postulado. E dele fluem muitos dos fenômenos que nós achamos perturbadores na condução da política externa do Kremlin: a discrição, a falta de franqueza, a duplicidade, a suspeita cautelosa e a sua hostilidade fundamental em termos de propósitos. Estes fenômenos devem continuar a existir, pelo futuro próximo. Podem haver variações de grau e de ênfase. Uma ou outra destas características de sua política pode ser relevada temporariamente ao segundo plano, quando houver alguma coisa que os Russos queiram de nós; neste caso, sempre haverá alguém que dará um passo a frente e anunciará alegremente que “os russos mudaram,” e alguns tentarão inclusive receber o mérito de haver realizado tais “mudanças”. Não devemos, contudo, nos deixar enganar por tais manobras táticas. Estas características da política soviética, bem como o postulado do qual elas emanam, são fundamentos da natureza interna do poder soviético e nos acompanharão, em primeiro ou segundo plano, até que se mude a natureza do mesmo.
continuado...

Isto quer dizer que nós continuaremos a julgar difícil lidar com os Russos por um longo tempo. Não significa que devamos considerá-los envolvidos em um projeto de tipo compulsório para a derrubada da nossa sociedade em uma data determinada. A teoria sobre a inevitabilidade da derrocada final do capitalismo tem a afortunada conotação de que não há pressa neste sentido. As forças do progresso não necessitam se apressar na preparação do derradeiro coup de gráce. (N.T.: em francês no original) O essencial, entretanto, é que a “pátria socialista” -aquele oásis de poder que já foi ganho para o socialismo e cuja personificação a União Soviética é expressão- deveria ser celebrada e defendida por todos os bons comunistas, tanto interna quanto externamente, sua bem-aventurança deveria ser fomentada e seus inimigos deveriam ser atormentados e estorvados de forma persistente. A promoção prematura de projetos revolucionários “aventureiros” no exterior, que poderia representar algum tipo de constrangimento para o poder soviético, seria injustificável e, até mesmo, tida por ato contra-revolucionário. A causa socialista é o apoio e promoção do poder soviético, tal como definido em Moscou.

Isto nos traz até o segundo dos conceito caros ao panorama soviético contemporâneo, qual seja, a infalibilidade do Kremlin. Tal conceito de poder soviético, que não permite pontos localizados de organização fora do próprio partido, exige, em teoria, que a liderança do mesmo permaneça sendo a única depositária da verdade. Pois, caso se pudesse encontrar a verdade alhures, não haveria justificativa para expressão do partido em atividade organizada. Isto é, todavia, exatamente aquilo que o Kremlin não pode e não deve permitir.

A liderança do Partido Comunista sempre esteve com razão, portanto, e isto já desde 1929, quando Stalin formalizou o seu poder pessoal ao anunciar que as decisões do Politburo estavam sendo tomadas de modo unânime.

Neste principio de infalibilidade é que se fundamenta a férrea disciplina do partido comunista. De fato, os dois conceitos se auto-sustentam de forma mútua. Disciplina perfeita requer o reconhecimento da infalibilidade. Infalibilidade requer a observância à disciplina. E os dois juntos determinam amplamente o comportamento de todo o aparato de poder soviético. Seu efeito não pode, entretanto, ser compreendido a não ser que um terceiro fator, a saber, seja considerado: o fato que a liderança tem liberdade para implementar, a qualquer tempo, por objetivos táticos, qualquer tese específica que julgar conveniente para sua causa; e a requerer a aceitação fiel e inquestionável de tal tese pelos membros de todo o movimento. Isto quer dizer que a verdade não é constante, mas sim criada, para todos os planos e objetivos, pelos próprios governantes. Ela pode variar a cada semana, a cada mês: não se trata de nada imutável -nada que emane diretamente da realidade objetiva. Trata-se simplesmente da mais recente manifestação de juízo daqueles nos quais, por suposto, o juízo máximo reside, haja visto representarem a lógica da história. O efeito acumulativo de tais fatores é oferecer, a tudo quanto estiver subordinado ao aparato de poder soviético, obstinação inabalável e firmeza na sua orientação. Tal orientação pode ser mudada de forma discricionária pelo Kremlin, mas não pode ser mudada por nenhum outro poder. Uma vez que determinada orientação partidária tenha sido definida para determinado assunto da política corrente, toda a máquina governamental soviética, incluindo o mecanismo diplomático, se move de forma inexorável através do caminho prescrito, tal como um persistente carrinho de brinquedo, fadado a seguir numa certa direção prefixada e só parar ao encontrar alguma força irrefutável. Os indivíduos que compõem tal máquina são inacessíveis à razão ou aos argumentos que vêm de fontes externas. Todo seu treinamento os ensinou a desconfiar e a menosprezar o talento persuasivo loquaz do mundo exterior. Tal qual um cachorro branco diante da vitrola, eles somente escutam a “voz do mestre”. Caso seja necessário revogar as últimas diretrizes que lhes foram transmitidas, é o mestre quem há de fazê-lo. O representante estrangeiro não pode, portanto, esperar que suas palavras os impressionem. O máximo que pode esperar é que tais palavras sejam transmitidas àqueles que estão no topo, capazes de mudar a linha programática do partido. Improvável seria, todavia, que mesmo aqueles que estão no topo se deixassem influenciar por qualquer lógica normal do discurso do representante da burguesia. Visto não haver qualquer encanto por propósitos comuns, não pode haver nenhuma simpatia por uma aproximação mental comum. Por esta razão, os fatos falam mais alto às orelhas do Kremlin que as palavras; e as palavras carregam o maior peso quando imbuídas do poder de refletir fatos de validade indiscutível, ou quando estão embasadas por eles.

Vimos, entretanto, que o Kremlin não está sujeito a nenhuma coerção ideológica incontestável para que execute seus desígnios apressadamente. Tal qual a Igreja, o Kremlin lida com conceitos ideológicos que são válidos a longo prazo, e pode permitir-se ter paciência. O Kremlin não se sente no direito de arriscar conquistas existentes da revolução pela causa de futuras (ninharias vãs. Mesmo segundo o ensinamento do próprio Lenin, exige-se grande cautela e flexibilidade na persecução dos propósitos comunistas. Estes receios são, repetimos, fortificados pelas lições da história russa: de séculos de batalhas obscuras entre forças nômades por pedaços de uma vasta planície sem fortificações. Cautela, prudência, flexibilidade e logro são, neste contexto, as qualidades valiosas; e seu valor encontra apreço natural nas mentes dos russos e dos orientais. Assim sendo, o Kremlin não tem nenhum remorso quanto a bater em retirada frente a força superior. Além disto, por não estar coagido pelo tempo, não está sujeito a pânicos freqüentes em função da necessidade de tal retirada. Sua ação política é um curso fluído que se move de forma constante, onde quer que lhe seja permitido mover-se, em direção a uma finalidade predeterminada. Sua principal preocupação é assegurar-se de haver preenchido cada recesso e cada fenda a sua disposição na bacia do poder mundial. Caso encontre, todavia, barreiras inexpugnáveis no seu curso, as aceita filosoficamente e se acomoda a elas. O mais importante é sempre haver pressão, ininterrupta e constante, na obtenção da finalidade desejada. Não há nenhum traço, na psicologia soviética, de qualquer sentimento que seja segundo o qual tal finalidade deva ser atingida em um momento predeterminado.

Estas considerações fazem com que seja, ao mesmo tempo, mais fácil e mais difícil lidar com a diplomacia soviética do que com a diplomacia de líderes individuais agressivos, tais como Napoleão e Hitler. Por um lado, ela é mais sensível à forças contrárias, mais propensa a aquiescer em determinados setores do fronte diplomático quando esta força contrária é percebida como sendo forte e, portanto, mais racional dentro do contexto da lógica e da retórica do poder. Por outro lado, a diplomacia soviética não se deixa vencer ou desanimar de modo fácil por uma única vitória da parte dos seus oponentes. De modo que a persistência paciente que a anima significa que ela pode ser contida, de forma eficaz, não por atos esporádicos, que representam os caprichos momentâneos da opinião democrática, mas sim, de forma exclusiva, por políticas inteligentes de largo alcance, implementadas pelos adversários da Rússia – políticas não menos firmes nos seus objetivos e não menos matizadas e expeditas no seu emprego do que aquelas da própria União Soviética.

Nestas circunstâncias, é evidente que o principal elemento de qualquer política dos Estados Unidos em relação à Rússia deva ser, a longo prazo, o refreamento paciente, ainda que firme e vigilante, das tendências expansivas da Rússia. (N.T.: O substantivo containment foi traduzido, nesta tradução, por refreamento e o verbo to contain por refrear). É importante assinalar, contudo, que tal política não tem nada que ver com encenação voltada para o mundo exterior: com ameaças estrondosas ou gestos supérfluos de “dureza” dirigidos ao exterior. Embora o Kremlin seja, em essência, flexível nas suas reações às realidades políticas, ele não é, de forma alguma, insensível a considerações de prestigio. Como qualquer outro governo, o Kremlin pode ser colocado, por gestos ameaçadores e sem tato, em uma posição na qual ele não pode permitir-se ceder, ainda que isto possa ser um ditame do seu senso de realismo. Os líderes russos são juizes perspicazes da psicologia humana e, como tal, altamente conscientes de que o descontrole e a perda de moderação nunca são fonte de força nos negócios políticos. Eles são ágeis em explorar tais evidências de fraqueza. Por estas razões, é uma condição sine qua non (NT: em latim no original) de sucesso, ao se lidar com a Rússia, que o governo estrangeiro em questão permaneça sempre calmo e sereno, e que suas demandas sobre políticas russas sejam manifestadas de tal forma que um espaço aberto seja deixado para uma aquiescência que não seja muito prejudicial ao prestigio russo.

III
À luz do exposto acima, percebe-se claramente que a pressão soviética contra as instituições livres do mundo ocidental é algo que pode ser refreado pela aplicação hábil e cautelosa de força contrária em uma série de diferentes pontos políticos e geográficos, correspondentes aos artificio e manobras da política soviética. Não se pode, entretanto, ignorá-la nem desconhecê-la. Os Russos ambicionam um duelo de duração infinita e acreditam já haver, nele, contabilizado grandes êxitos. Há que se ter em mente que houve um tempo no qual o Partido Comunista representou uma minoria bem maior no contexto da vida nacional Russa do que o que o poder soviético representa, nos dias de hoje, para a comunidade internacional.

Se, por uma lado, a ideologia convence os líderes da Rússia que a verdade está ao seu lado e que eles podem, portanto, permitir-se esperar, aqueles de nós, por poutro lado, que não se sujeitam a tal ideologia, são livres para examinar objetivamente a validade de tais premissas.

A tese soviética não somente sugere total falta de controle do ocidente sobre seu próprio destino econômico, como também supõe unidade, disciplina e paciência da parte da Rússia por um período infinito. Tragamos esta visão apocalíptica de volta a realidade e suponhamos que o mundo ocidental encontre forças e desenvoltura para refrear o poder Soviético por um período de dez ou quinze anos. Que significado isto teria para a própria Rússia?

Continuado...]
Os líderes Soviéticos, aproveitando-se das contribuições das técnicas modernas para as artes do despotismo, resolveram a questão da obediência dentro dos confins do seu poder. Poucos desafiam sua autoridade; e mesmo aqueles que o fazem são incapazes de colocar em cheque, de fato, os órgãos de supressão do estado.

O Kremlin se revelou apto a relizar seus desígnios de construir na Rússia, em detrimento do interesse de seus habitantes, os fundamentos de uma indústria de metalurgia pesada, que, na verdade, ainda não está completa, mas que continua, não obstante, a crescer e se aproxima da indústria de metalurgia pesada dos outros grandes países industriais. Tudo isto, contudo, tanto a manutenção da segurança política interna quanto a construção da indústria pesada, foi levado a cabo com um terrível custo em termos de vidas, energias e esperanças humanas. Foi necessário que se usasse o trabalho forçado em uma escala sem precedentes nos tempos modernos, em condições de paz. Tal política significou também descuido ou prejuízo para outras fases da vida econômica Soviética, sobretudo nas áreas da agricultura, produção de bens de consumo, habitação e transportes. A guerra acrescentou a tudo isto um tremendo custo em termos de destruição, morte e depauperamento humano. Como conseqüência, temos na Rússia, nos dias atuais, uma população física e espiritualmente cansada. A grande massa do povo está desiludida, scética e já não mais acesível, como outrora, à mágica atração que o poder soviético ainda irradia para os seus seguidores no exterior. A avidez com a qual as pessoas roubaram à igreja o mínimo respeito, por razões táticas, durante a guerra, foi testemunho eloqüente do fato de que sua disposição para a fé e a devoção encontrava pouca expressão nos propósitos do regime.

Nestas circunstâncias, há limites para o vigor físico e para a resistência de nervos das próprias pessoas. Tais limites são absolutos e compulsórios até mesmo para a mais cruel das ditaduras, pois não se pode forçar as pessoas a ir além deles. Os campos de trabalho forçado e outras agências de coação proporcionavam formas temporárias de forçar as pessoas a trabalhar mais horas do que aquelas horas que sua própria vontade ou a pressão econômica teriam ditado. Caso as pessoas sobrevivessem tal coação, teriam envelhecido antes do tempo e teriam que ser consideradas casualidades das demandas da ditadura. De qualquer forma, suas melhores habilidades já não mais encontravam-se disponíveis para a sociedade e não mais poderiam ser convocadas para servir ao estado.

Nestes casos, só as gerações mais jovems podem ajudar. As gerações mais jovens, apesar de todas suas vicissitudes e sofrimentos, é numerosa e cheia de vigor; e os Russos são um povo talentoso. Resta saber, entretanto, quais serão os efeitos para a atividade matura de tais pessoas da anômala extenuação emocional da adolescência que a ditadura Soviética criou e a querra ampliou de forma enorme. Tais coisas como proteção e serenidade no ambiente do lar praticamente deixaram de existir na União Soviética, a não ser nos confins das mais remotas vilas e fazendas. De modo que obsdervadores ainda não tem certeza se isto irá deixar suas marcas na capicadade total da geração que agora chega à maturidade. Além do mais, temos o fato que o desenvolvimento econômico soviético, conquanto possa alencar algumas conquistas formidáveis, foi profundamente esparso e desigual. Os comunistas russos que falam sobre o “desenvolvimento desigual do capitalismo” deveriam enrubecer-se com a visão da sua própria economia nacional. Neste contexto, alguns ramos da vida econômica, como a metalurgia e as indústrias de bens de produção, foram separados, de forma desproporcional, de outros setores da economia. Vê-se aí uma nação esforçando-se por transformar-se em uma das grandes nações industrializadas do mundo e que, ao mesmo tempo, ainda não tem rede rodoviária digna de nota e somente possui uma rede primitiva, em termos relativos, de ferrovias. Muito se fez para aumentar a eficiência do trabalho e para ensinar a camponeses toscos algo sobre como operar máquinas. A manutenção das máquinas e dos equipamentos permanece, entretanto, uma deficiência gritante de toda economia soviética. A depreciação deve ser enorme. Em vastos setores da vida econômica, além disto, ainda não foi possível instilar, no mundo do trabalho, nada parecido com aquela grande cultura de produção e respeito próprio em termos de técnica que caracteriza os trabalhadores qualificados do ocidente. É dificil imaginar como estas deficiências possam ser corrigidas a curto prazo por uma população cansada e abatida, trabalhando, em grande media, sob a sombra do medo e da coação. Além disto, enquanto elas não forem superadas, a Rússia permanecerá sendo uma nação vulnerável do ponto de vista econômico, e, de certo modo, impotente, capaz de exportar seu entusiasmo e de irradiar o estranho charme da sua vitalidade política rudimentar, mas incapaz de emprestar apoio moral àqueles produtos de exportação através de evidências de poder material e prosperidade. Entrementes, uma grande incerteza paira sobre a vida política da União Soviética, qual seja a incerteza envolvida na transferência de poder de um indivíduo ou grupo de indivíduos para outros. Este é, com certeza, o mais relevante problema da posição pessoal de Stalin. Devemos relembrar que sua sucessão ao auge da proeminência do moviemtno comunista, outrora ocupado por Lenin, foi a única transferência pessoal de autoridade que a União Soviética jamais conheceu. Tal transferência necessitou de 12 anos para se consolidar, custou a vida de milhões de pessoas e fez tremer as fundações do estado. O tremor provocado por ela se fez sentir em todo o movimento revolucionário, em detrimento do próprio Kremlin.

Sempre é possível que uma outra transferência de poder aconteça de forma tranquila e não conspícua, sem maiores traumas. Não obstante, é possível que as questões envolvidas possam desencadear, na expressão de Lenin, uma daquelas “tranformações terrivelmente incríveis” da “decepção sútil” à “violência generalizada”, que caracteriza a história Russa e que pode fazer tremer até mesmo as fundações do poder soviético.

continuado...]
Não se trata de uma questão que diga respeito somente ao próprio Stalin. Sempre houve, desde 1938, um perigoso congelamento da vida política nos altos círculos do poder soviético. O Congresso Geral dos Sovietes da União, em teoria o corpo supremo do partido, deveria se reunir com periodicidade não menos freqüente do que uma vez a cada três anos. Oito anos já se passaram desde seu último encontro. A mortalidade de membros do partido durante a guerra foi enorme; e atualmente bem mais do que metade dos membros do partido são pessoas que nele ingressaram após o último congresso. Entrementes, o mesmo grupo pequeno de pessoas permaneceu no topo da hierarquia partidária através de uma série surpreendente de vicissitudes nacionais. Deve haver alguma explicação, certamente, para o fato de a experiência de guerra ter trazido mudanças políticas fundamentais para cada um dos grande governos do ocidente. As causas de tal fenômeno devem ser também, decerto, suficientemente simples a ponto de estar presente em algum lugar da obscuridade da vida política russa. Tais causas ainda não foram, entretanto, identificadas na Rússia.Há que se supor, em consequência disto, que mesmo no seio de uma organização tão organizada como o partido comunista haja crescente divergência em termos de idade, perspectiva e interesse entre a grande massa de membros do partido, só recentemente recrutada para o movimento, e a insignificante panelinha no topo, a se auto perpetuar no poder, cujos membros mais jovens do partido nunca puderam sequer conhecer, nem conversar pessoalmente, e com os quais não compartilham qualquer tipo de intimidade política.

Quem pode dizer se, nestas circustâncias, o eventual rejuvenescimento das esferas mais altas de autoridade (que pode ser mera questão de tempo) acontecerá de forma calma e pacífica, ou se rivais na luta pelo poder não tentarão cooptar estas massas inexperientes e sem maturidade política, com o intuito de encontrar suporte para suas pretensões? Se isto acontecesse, consequências singulares poderiam resultar para o Partido Comunista: devido ao fato que a extensa filiação foi realizada em função das práticas de férrea disciplina e obediência, e não em função da arte do acordo e da boas vontade. Além do mais, caso a desconcórdia se apoderase do partido e o paralisase, o caos e a fraqueza da sociedade russa se revelariam de maneira indescritível pois, como vimos, o poder soviético é somente uma crosta ocultando uma massa amorfa de seres humanos, entre os quais não se tolera nenhuma estrutura organizacional. A atual geração de Russos jamais conheceu liberdade de ação coletiva. Se, portanto, algo ocoresse que arrebentase a unidade e a eficácia do partido enquanto instrumento político, a rússia soviètica poderia tranformar-se, da noite para o dia, de uma das mais fortes sociedades em uma das mais fracas e deploráveis.

Assim sendo, o futuro do poder soviético pode muito bem não ser, em absoluto, tão seguro quanto a capacidade de enganar-se a sí próprio teria feito parecer aos homens do Kremlin. Que eles sejam capazes de conservar o poder, isto eles já demonstraram. Resta ser visto se eles podem tranferí-lo para outros, de forma fácil e tranqüila. Entrementes, as privações impostas por seu governo e as vicissitudes da vida internacional custaram um preço altíssimo à força e às esperanças do grande povo no qual reside seu poder, o povo russo. É curioso notar que o poder ideológico da autoridade soviética é, hoje, mais forte em áreas externas à fronteira da rússia, aréas que se encontram além do alcance do poder de sua polícia. Este fenômeno nos traz à mente a comparação usada por Thomas Mann em seu grande romance Buddenbrooks. Observando que as instituições humanas freqüentemente irradiam seu maior esplendor em momentos nos quais a decomposição interior encontra-se, na verdade, em seu estágio mais avançado, ele comparou a familia dos Buddenbrook, nos seus dias de maior glamour, a uma daquelas estrelas cuja luz resplandece mais intensamente neste mundo quando, de fato, já de há muito deixou de existir. Quem poderia dizer, assim, com convicção, que a potente luz que o Kremlin ainda irradia nos povos insatisfeitos do mundo ocidental não é o poderoso arrebol de uma constelação que está, na realidade, prestes a desaparecer? Isto não pode ser provado. Tampouco pode-se refutá-lo. Mas persiste a possibilidade de que o poder soviético, como o mundo capitalista na sua acepção, carregue consigo as sementes da sua própria decadência e que o brotar de tais sementes já se encontre em estado avançado.

IV
Claro está que os Estados Unidos não podem esperar gozar, em um futuro próximo, de intimidade política com o regime soviético. Os Estados Unidos têm que continuar a considerar a União Soviética como um rival, e não parceiro, na arena política. Têm que continuar a esperar que as políticas soviéticas reflitam, não amor abstrato pela paz ou pela estabilidade, não uma fé real na possibilidade de permanente coexistência feliz, mas sim pressão cautelosa e persistente em direção à fratura e ao enfraquecimento dos poderes rivais. Os contrapontos a isto são os seguintes fatos: a Rússia, ao contrário do mundo ocidental em geral, é de longe o partido mais fraco; as políticas soviéticas são altamente vergáveis; a sociedade soviética pode bem conter em seu seio deficiências que enfraquecerão, portanto, seu próprio potencial. Isto já garantiria, por si só, aos Estados Unidos, que embarcassem, com razoável confiança, em uma política de refreamento resoluto, com o intuito de confrontar os Russos com uma força contrária inalterável em todos os pontos nos quais os mesmos mostrem intenções de usurpar os interesses de um mundo estável e pacífico.

As possibilidades abertas para a política americana atualmente não limitam-se, entretanto, de forma alguma, a conservar as posições atuais no fronte e esperar que o melhor aconteça. É inteiramente possível para os Estados Unidos influenciar, através de suas ações, os acontecimentos internos, tanto dentro dos confins da Rússia como no seio do movimento comunista internacional, que determinam, em larga medida, a política russa. Não se trata simplesmente de uma questão de extensão modesta da atividade informacional que este governo possa conduzir na União Soviética e em outros lugares, ainda que isto seja importante também. Trata-se de uma questão de maior importância: de como os EUA transmitirão a impressão, entre os povos do mundo, de ser um país que sabe o que quer, um país que está lidando de forma bem sucedida com os problemas da sua vida doméstica e com as responsabilidades inerentes a um poder global; um páis que tem uma vitalidade espiritual que o capacita a manter-se firme, mesmo contra as correntes do tempo. Na medida em que tal impressão possa ser criada e mantida, os objetivos do comunismo russo revelar-se-ão estéreis e quixotescos, as esperanças e o entusiasmo dos defensores de Moscou desvanecerão e uma extenuação ainda maior será imposta às políticas externas do Kremlin, pois a idéia da decrepitude paralítica do mundo capitalista é a pedra fundamental da filosofia comunista. Até mesmo o malogro dos Estados Unidos em experimentar a depressão econômica precoce, que os corvos da Praça Vermelha previram com tamanha confiança complacente desde que cessaram as hostilidades, teria repercussões profundas por todo o mundo comunista.

Pela mesma razão, exibições de indecisão, desunidade e desagregação interna nos EUA têm um efeito hilariante em todo o movimento comunista. A cada evidência de tais tendências, uma sensação de esperança e excitação percore o mundo comunista; nota-se um novo garbo no caminhar do transeuntes de moscou; novos grupos de partidários internacionais ascedem àquilo que eles percebem como sendo o carro de som da política internacional e a pressão Russa se incrementa em toda a extensão dos negócios internacionais.

Seria exagero supor que o comportamento americano, por si só, pudesse exercer tal poder de vida ou morte sobre o movimento comunista e ocasionar, assim, a queda precoce do poder soviético na Rússia. Os Estados Unidos têm em suas mãos, porém, o poder de aumentar de forma considerável a extenuação sob a qual a política Soviética deve operar; o poder de impor ao Kremlin um grau muito maior de moderação e circunspecão do que aquele que ele teve que seguir em anos recentes e, desta forma, o poder de promover pressões que devem, no fim, encontrar sua válvula de escape seja na quebra ou seja no apodrecimento do poder soviético. Nenhum movimento místico nem messiânico –nem mesmo o Kremlin– pode, portanto, encarar a frustração por tempo indefinido sem se ajustar, no final, de uma forma ou de outra, à lógica deste estado de coisas.

continuado...]
A decisão recairá, portanto, em grande media, no nosso próprio país. A questão das relações entre a União Soviética e os Estados Unidos é, em essência, um teste do valor total dos Estados Unidos enquanto nação dentre nações. Para evitar a destruição, os EUA precisam simplesmente estar à altura das sua melhores tradições e se provarem dignos da sua preservação enquanto grande nação.

Sem dúvida, nunca houve um teste de qualidade nacional mais justo do que este. À luz de tais circunstâncias, o observador cuidadoso das relações russo-americanas não encontrará razão alguma para reclamar do desafio que o Kremlin faz à sociedade americana. Ele experimentará, ao contrário, uma certa gratidão a uma providência que, ao proporcionar ao povo americano este desafio implacável, fez com que toda sua segurança enquanto nação se tornasse subordinada à sua capacidade de se recompor e de aceitar as responsabilidades de liderança moral e política que a história pretendeu, de modo claro, que os coubessem.

Notas do tradutor:
[1] "A respeito da propaganda dos Estados Unidos da Europa," Agosto de 1915. Edição Soviética Oficial das obras de Lenin.
[2] Aqui e em outros pontos deste artigo "scialismo” se refere ao Marxismo ou Leninismo-comunismo, não ao socialismo liberal na sua vertente da Segunda Internacional.


Tradução: Danilo Zimbres.

Neo-realism and the limitations of classical realism

1. Introduction
In order to understand to what extent has neo-realism addressed the limitations of classical realism, we must understand the core assumptions of classical and neo-realism. By doing so, we shall be in a better position to evaluate important patterns of change and, therefore, assess how neo-realism has perfected classical realism and addressed some of its original limitations.
Due to the scope of this essay, it would not be possible here to address all the important contributions to this International Relation’s school of thought, classical realism. Understanding its core assumptions shall be enough for the purpose of analyzing to what extent some of its limitations have been addressed by neo-realists. We will restrict, therefore, our attention to some of the most prominent thinkers of the classical realist tradition, like Thucydides, Machiavelli and Morgenthau, all of whom are seminal writers in this field. Their work allows us to understand the core assumptions of classical realism. After that, we will examine the work of some important neo-realists and examine to what extent neo-realism has addressed limitations of classical realism.

2.1 Core realist tradition: Thucydides
Born in 460 BC, the historian Thucydides wrote an epic account of the Peloponnesian war, a conflict that involved two major powers of its time: Sparta and Athens (Dunne 2004: 167). His work has been highly regarded ever since due to the insights he raised about several important issues of international politics. According to Tim Dunne, “Thucydides makes it clear that Sparta’s national interest, like that of all other states, was survival, and the changing distribution of power represented a direct threat to its existence” (Dunne 2004: 167). As we can see, the Greek historian was the first to express the concept of balance of power, so dear to the realist tradition. He explained the causes of the Peloponnesian war in terms of the changes in the distribution of power, or a shift in the balance of power. He also stated the importance of survival as one of the laws guiding international politics.

In fact, survival is one of the three core elements that scholars identify with realism (Dunne 2004: 163). The other two elements that form the core realist assumption are statism and self-help. All three are present in Thucydides work (Dunne 2004: 163). For Thucydides, power politics is a law of human behavior and, hence, a law governing the international system. The international system functions in much the same way as societies do: it is essentially anarchic in nature. This anarchical characteristic is, in fact, one of the main features of realism (Grieco 1997: 164). From this anarchical characteristic, follows that survival and security are two of the most important elements that should be taken into consideration by states when performing their politics in the international arena (Kaufman 1998: 125). Grieco also concurs with the view that states have security as their main interest (Grieco 1997: 166). Furthermore, quoting Thucydides, Kaufman states: “in order to secure themselves in a global environment of anarchy, empires must recognize that ‘the strong do what they can and the weak suffer what they must’. The leaders of these states have an obligation to secure their ‘self-preservation’”. In sum, for the Greek historian the world politics is characterized by the quest for power and the need actors have in this environment to try to survive.

2.2 Core realist tradition: Machiavelli
Niccolo Machiavelli’s seminal book The Prince was written for the Duke of Urbino in the early 16th century Italy. In spite of all misperception associated with his work (Kaufman 1998: 126), Machiavelli remains one of the authors most often linked with realism. Without further extending into the complexities of his work, suffice it to say that the Italian also espouse some of the core realist assumptions, like the anarchical characteristic of the international system and the need for self-help in this hostile environment. Machiavelli denounces the faith in universal moral principles as well. This criticism of the faith in universal moral principles is indeed another important feature of realism. According to Tim Dunne: “Realists are skeptical of the idea that universal moral principles exist and, therefore, warn states leaders against sacrificing their own self-interests in order to adhere to some indeterminate notion of ‘ethical’ conduct” (Dunne 2004: 163). In addition, according to Kaufman, “(h)is goal was to promote the effective rule of the City-States in a world where morality had little place except as a tool to engender the support of the people” (Kaufman 1998: 126). Realpolitik, or power politics, is in fact a central consideration of Machiavelli’s thought. In this regard, the Italian social philosopher shares the tree main assumptions of realism: the centrality of the state (City-State), survival and self-help.

2.3 Core realist tradition: Morgenthau
Hans J. Morgenthau, author of Politics among Nations: The Struggle for Power and Peace, is regarded by many (Dunne 2004: 167) as the high priest of post-war realism. A refugee from Hitler’s Germany, Morgenthau believed that the drive for power is one of the perennial characteristics of human nature. According to Morgenthau, international relations are “governed by objective laws that have their root in human nature” (Kaufman 1998: 126). Realpolitik is the term which best describes, according to his view, the reality of the international system. In this context, states seek power and preventing one state from achieving absolute power (balancing against it) should be one of the iron laws of behavior for sates willing to survive. Kaufman notes that Morgenthau’s work is a continuation of the works of Thucydides and Machiavelli (Kaufman 1998: 126). Moreover, Dunne asserts that “for both Thucydides and Morgenthau, the essential continuity of the power seeking behavior of states is rooted in the biological drives of human beings” (Dunne 2004: 167). Power politics is, therefore, not only a perennial feature of the international system, but also a major law of human behavior. Hence there is, for realists, no escaping it: human nature is essentially aggressive, as Nazi’s Germany seemed to confirm. In a famous quote, Morgenthau affirms that: “international politics, like all politics, is a struggle for power” (Kaufman 1998: 163).

3. Core assumptions of classical realism
As we could clearly see before, the centrality of the state (statism), survival and self-help are three of the main realism’s assumptions. Classical realist writers such as Thucydides, Machiavelli and Morgenthau share all of them, to a greater or lesser extent. For realists of all sorts, power politics is the term that best describes international politics. International politics, in turn, occurs in an anarchical environment, characterized by the quest for dominance and hegemony. In this hostile environment, survival emerges as the main concern for states. In order to survive states have to deal with what realists, such as John Herz, have termed the ‘security dilemma’. The problem is that a so-called “spiral of insecurity” (Dunne 2004: 174) arises when states, seeking to enhance their own security, end up endangering the security of others and thus forcing them to enhance their own security in turn. The arms race that ensues can have significant consequences for stability in the international arena, as the First World War remarkably well exemplifies.

Joseph M. Grieco thus summarizes the core assumptions of realism: “realist theory assumes that states are the key actors in world affairs; that they are rational, autonomous and unitary actors; and that their goals and strategies are shaped by their anarchical context. On the basis of these assumptions, realists argue that states are fundamentally concerned about their security… These assumptions and propositions form the core of realist international theory” (Grieco 1997: 168).

4. Limitations of classical realism and neo-realism
In order to discuss to what extent neo-realism has addressed the limitations of classical realism, we shall first identify what neo-realism means. According to Steven Lamy, “for most academics, neo-realism refers to Kenneth Waltz’s Theory of International Politics (1979)”. Waltz theory emphasizes the importance of the structure of the international system and its role as the primary determinant of state behavior.” (Lamy 2004: 207).

There are three main differences between neo-realism and classical or traditional realism and we could assume therefore that neo-realists considered these aspects to be limitations of classical realism and thus intended to have addressed them. The first major distinctive feature of neo-realism is that it focuses on the structure of the system rather than on unit-level explanations. Whereas classical realism would provide bottom-up interpretation of a phenomenon, neo-realists instead focus on the functioning of the whole system’s structure and the constraints it presents to actors. A second major difference refers to their view about power. Classical realists consider power an end to itself (Morgenthau), whereas neo-realists will interpret power in a broader sense. For them, power can be best defined as the combined capabilities of a given state. A third difference is how each of the two camps understands the way states react to the condition of anarchy. “To realists, anarchy is a condition of the system… In contrast, neo-realists suggest that anarchy ‘defines the system’” (Lamy 2004: 209).

Liberals and neo-realists differ on their views about the limitations of classical realism. Neo-realists consider a more limited set of limitations and intend to address those by updating the theory, thus creating a more modern or contemporary realist profile (Lamy 2004: 208). Liberals and others (social constructivists, post-modernists, etc), on the other hand, have a broader set of criticism and consider realism altogether as being inextricably flawed. Neo-realists claim having addressed the limitations of classic realism, whereas liberals reject that claim.
Hence, whether or not neo-realism has addressed the limitations of classical realism depends on the paradigm we assume: neo-liberal or neo-realist. For neo-realists, neo-realism has satisfactorily addressed realism’s limitations, albeit not in a complete manner. Neo-liberals will dispute that claim affirming that both neo-realism and classical realism are limited because they do not account for change in the international system and because they still cannot take into account variables such as political, social and economic processes.

5. Conclusion
Without doubt, as Lamy puts it, “(neo-realism) offer researchers some powerful explanation of state behavior” (Lamy 2004: 220). However, he accepts that “recently, neo-realist scholars were criticized for their inability to explain the end of the cold war and other major transformations in the international system. Neo-realists minimize the importance of culture, traditions, and identity – all factors that shaped the emergence of new communities that helped transform the Soviet Empire” (Lamy 2004: 221). In fact, as Keohane points out, neo-realism remains fragile in explaining change in the international system and the role played in it by domestic factors, ideology, institutions, and social, political and economic processes.
In this sense, we could state that although neo-realism has addressed some limitations of traditional realism, it has not addressed them all.

In fact, as Grieco concedes, although neo-realism has addressed some important issues of classical realism, it remains fragile and in need of further development in order to account for important changes such as the end of the cold war and the emergence of a unified Europe (Grieco 1997: 191). Grieco asserts, furthermore, that: “…there are important unresolved questions within the core of realist international theory… Realism may be a helpful approach to the study of world politics, but it has several problems, and it has certainly not yet reached intellectual closure” (Grieco 1997: 191).

6. Bibliography
1- Dunne, T. and Schmidt, B.C. (2004), ‘Realism’, in Baylis, J. and Smith, S. The Globalization of World Politics (Oxford: Oxford University Press).
2- Grieco, J. M. (1997), ‘Realist international theory and the study of world politics’, in Doyle, M.W. and Ikenberry, G. J. New Thinking in International Relations Theory (Boulder Colorado: Westview Press).
3- Kaufman, D. J., Parker, J.M., Howel, P.V., Doty, G.R. (1998), Understanding International Relations, The Value of Alternative Lenses (USA: Custom Publishing).
4- Lamy, S. (2004), ‘Contemporary Mainstream Approaches: Neo-realism and Neo-liberalism’, in Baylis, J. and Smith, S. The Globalization of World Politics (Oxford: Oxford University Press).